Penedo e outros municipios da região sul de Alagoas recebem Projeto de Identificação e Salvaguarda

Projeto está sendo desenvolvido pela Secretaria de Estado da Cultura em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

 

Alagoas está sendo o campo do desenvolvimento do primeiro Mapeamento Cultural – Inventário e Salvaguarda – do Patrimônio Imaterial. No próximo final de semana, nos dias 23 a 25 de outubro, a equipe do projeto visitará os municípios de Piaçabuçu, Penedo, Igreja Nova, Porto Real do Colégio, São Brás e Traipu, em busca das referências culturais existentes nas cidades. O projeto está sendo realizado pela Secretaria de Estado da Cultura (Secult), juntamente com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

 

“Alagoas foi escolhido para fazer o projeto piloto do Mapeamento Cultural que será desenvolvido em todo Brasil. É um grande privilégio de reconhecimento da cultura alagoana”, relata a secretária de Estado da Cultura, Melina Freitas.

 

De acordo com a secretária, o mapeamento vai contribuir com as futuras ações de políticas culturais em Alagoas. “A preservação das manifestações culturais é o nosso principal objetivo e é preciso essa catalogação para que seja estabelecida as políticas a serem empregadas”, afirma a secretária.

 

A cultura é a identidade do povo, seja em uma simples comunidade, um Estado ou uma nação. Segundo a arquiteta e técnica do Iphan Joelma Farias, o projeto tem o intuito de conhecer a história, crenças e costumes para registrar no processo de salvaguarda.

 

“O projeto do mapeamento é dividido em três etapas: a preliminar, os estudos de casos e a salvaguarda. Todo o bem registrado contempla a salvaguarda, uma maneira de preservar a cultura existente. Após dez anos do registro é feito uma reavaliação para ver se continua sendo uma prática cultural da comunidade”, explicou Joelma.

 

O convênio feito entre a Secult e o Governo Federal foi o financiamento por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), com o investimento de R$ 1,8 milhão.

 

Pesquisa

Para execução do projeto, foi firmado uma parceria com a Fundação Universitária de Desenvolvimento de Extensão e Pesquisa (Fundepes), que dispõe de grupos de pesquisa da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) para desenvolver o inventário.

 

Ir aos municípios, conhecer as histórias, conversar com a população e vivenciar as tradições são os ofícios dos três grupos de pesquisas escolhidos.

O Grupo de Pesquisa Estudos da Paisagem é responsável pela região das margens do Rio São Francisco, região Norte e Zona da Mata. Já o Grupo Nordestanças foi designado aos estudos do Agreste e sertão, incluindo a Bacia Leiteira. O mapeamento na região metropolitana de Maceió ficou a cargo do Grupo de Pesquisa Representações do Lugar.

 

Para a consultora de Patrimônio Imaterial do Iphan, Greice Lopes, diagnosticar um acervo imaterial é preciso ter um ato perceptivo diferenciado. “Ver com um olhar diferenciado, desvendar e explorar é preciso para extrair a essência da cultura local. Quando o acervo é material se torna mais fácil por ser algo físico, mas, quando se trata de imaterial, é preciso conhecer a história”, explicou a consultora.

 

A população e as secretarias municipais de cultura podem contribuir com o mapeamento ao informar as representações culturais do município através do site http://www.mapeamentoculturaldealagoas.com/.

 

Por Agência Alagoas

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *