Polícia Militar instaura sindicância para investigar tiro contra estudante durante protesto do Ocupe Estelita

Após a divulgação de um vídeo mostrando um policial militar atirando contra um estudante durante o ato de protesto do Movimento Ocupe Estelita, que aconteceu nessa quinta-feira, a corporação informou que instaurou uma sindicância para apurar a denúncia. O disparo atingiu o ombro de Leonardo Ferreira, de 21 anos.[embedded content]

Através de nota oficial, a Polícia Militar disse repudiar a ação do servidor e adiantou que o policial do Batalhão de Rádio Patrulha será afastado das operações com natureza similar ao protesto.


Foto: Direitos Urbanos/ WhatsApp/Cortesia
Foto: Direitos Urbanos/ WhatsApp/Cortesia

Confira o documento divulgado pela Polícia Militar na íntegra

O Comando Geral da Polícia Militar de Pernambuco, através da Assessoria de Comunicação Social, esclarece que repudia a ação contida nas imagens que mostram um policial militar do Batalhão de Rádio-Patrulha realizando um disparo com munição de elastômero contra manifestantes do movimento Ocupe Estelita. De imediato o Comando já determinou a apuração rigorosa dos fatos, que considera lamentável e equivocado. Até que sejam concluídas as apurações, já foi determinado ao comando do BPRP que afaste o policial militar envolvido no episódio das ocorrências de mesma natureza. As imagens mostram que a ação é isolada e a presença da PM no local tinha por objetivo garantir a segurança de todas as pessoas que participavam da manifestação e daquelas que transitavam pelo local. O Comando esclarece, ainda, que a Corporação zela pela integridade física e pelo respeito aos direitos humanos nos protocolos operacionais adotados no âmbito da PMPE.

O Movimento Ocupe Estelita fez um novo protesto em defesa do Cais José Estelita, na noite dessa quinta-feira. Os manifestantes se concentraram na Praça do Derby, às 16h, e saíram em passeata pelas principais ruas da região central da cidade após as 18h. De acordo com a Polícia Militar, 300 pessoas participam do ato. A passeata foi até a sede da Prefeitura do Recife, no Cais do Apolo.

Horas antes, os membros do movimento protocolaram uma carta destinada ao prefeito Geraldo Julio na sede da gestão municipal. No documento, eles pediram a anulação de todos os protocolos referentes ao consórcio Novo Recife. “Não aceitamos que a cidade continue sendo vendida ao capital financeiro e que mesmo depois da comprovação de fraude feita pela Polícia Federal sobre leilão que vendeu o Cais José Estelita para o Consórcio Novo Recife, a PCR continue irresponsavelmente dando prosseguimento ao processo de licenciamento”, informou o Movimento Ocupe Estelita através do Facebook. A assessoria de imprensa da Prefeitura do Recife informou que não vai se pronunciar sobre a carta.

Confira a carta ao prefeito na íntegra

Clique para ampliar
Clique para ampliar

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *