Últimas

Canções românticas de Roberto Carlos recuperam charme em especial sem orquestra

Acompanhado de músicos britânicos, Roberto Carlos revisitou clássicos em embalagens menos formais: ''até me assustei com os arranjos, mas vi que têm coerência''. Foto: Paulo Belote/Globo/Divulgação
Acompanhado de músicos britânicos, Roberto Carlos revisitou clássicos em embalagens menos formais: ”até me assustei com os arranjos, mas vi que têm coerência”. Foto: Paulo Belote/Globo/Divulgação

Com mais de 40 especiais da Globo no currículo, Roberto Carlos já tocou no Madson Square Garden, em Nova York, já se vestiu de palhaço e dividiu o palco com Os Trapalhões, e até pediu paz entre judeus e palestinos, no último ano, em Jerusalém. Mas, pela primeira vez, no último sábado (7), subiu ao palco do Theatro Municipal, no Rio, para registrar sua ode ao amor sem a majestosa orquestra que eternizou suas canções.Os arranjos repaginados para alguns de seus clássicos levaram o cantor a um passeio pelo reggae e ritmos latinos, acompanhado de uma trupe de doze músicos londrinos, com quem gravou no estúdio Abbey Road, em outubro.

“Até me assustei com os arranjos, mas vi que têm coerência”, exagerou Roberto Carlos, antes de apresentar as novas versões de Lady Laura e Eu te amo, que conseguiram tirar o Rei de sua zona de conforto sem, no entanto, tirar das canções sua pureza.

Assim, Detalhes foi uma prova de que sua majestade transcende os arranjos imortalizados. A nova versão ganhou, além dos acordes solos de piano, a calibragem de uma balada jovem. Também O portão e Mulher pequena ganharam novo frescor, resgatando o brilho e a alma apaixonada por trás das canções, já ofuscados após anos com arranjos embalsamados pelo romantismo clássico do Rei.

“O amor não muda ou sai de moda”, argumenta Roberto, em uma das suas frases que, embora previsíveis, provocavam delírio e encantamento nas senhoras de corações adolescentes. O ar sedutor característico do Rei fez, mais uma vez, o público reviver calafrios pelo ídolo, com gritinhos excitados, propostas e elogios indecorosos e muitos corações feitos com as mãos. Se a edição não deixar escapar esses detalhes, o programa terá a sua marca.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *