Corpo encontrado não é de Davi da Silva, confirma exame de DNA

Jovem desapareceu em agosto de 2014 após abordagem da PM no Benedito Bentes

 

O corpo encontrado na Serraria no dia 08 de agosto e apontado como sendo do jovem desaparecido Davi da Silva não pertence ao jovem. Foi o que concluiu a perita criminal Rosana Coutinho do Instituto de Criminalística de Alagoas no exame pericial de confronto genético do DNA. O resultado excluiu o parentesco entre o corpo encontrado no bairro da Serraria e a mãe do jovem desaparecido, o que confirma que o cadáver não é do jovem.

A informação corrobora com a fala do secretário de Segurança Pública Alfredo Gaspar de Mendonça, que durante entrevista à Rádio Gazeta na última terça-feira (10) afirmou que o corpo encontrado não era o do jovem desaparecido.

O gestor da segurança pública garantiu ainda, que muitas informações propagadas sobre o desaparecimento de Davi Silva são “infundadas” e que existe uma “guerra midiática em torno do caso”.

De acordo com informações divulgadas pela Perícia Oficial, a perita criminal recebeu três dentes, retirados do cadáver não identificado encontrado na Serraria que deu entrada no IML de Maceió, no dia 08 de agosto. Para fazer o exame de confronto genético foram coletadas amostras de células da mucosa bucal de Maria José da Silva, mãe de Davi da Silva, desaparecido em 25 de agosto do ano passado. O resultado deu negativo.

O laudo completo com todas as informações técnicas e as conclusões finais da perita Rosana Coutinho será encaminhado ainda nesta sexta-feira (13) para a delegacia que solicitou o exame. A família de Davi da Silva também foi informada do resultado negativo de maternidade.

Reconheci o corpo dele

A mãe de Davi Maria José da Silva, afirmou ter reconhecido o corpo do jovem ao ver fotografias do corpo encontrado. “Logo que vi, a roupa era dele. Olhei tudo, reconheci também os pés dele, estavam inteiros ainda, as pernas dele, que eram gordinhas e ainda tinha parte das nádegas. Era meu filho”, afirmou Dona Maria José, que segue pedindo justiça. “Todo mundo sabe que meu filho era inocente. Não devia nada a ninguém e acabou dessa forma”, lamentou.

O CASO

Davi da Silva desapareceu no dia 25 de agosto de 2014, após uma abordagem da Radiopatrulha no Benedito Bentes. Desde então, a família iniciou uma série de cobranças e denúncias contra a Polícia Militar.

Neste período, outro caso chamou atenção. A mãe de Davi, Maria José da Silva, foi baleada na cabeça de forma misteriosa, numa ação criminosa que vitimou um morador de rua no Centro de Maceió.

O desaparecimento do jovem ainda desencadeou outro ato de manifesto, quando a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Seccional Alagoas, iniciou uma contagem de dias do desaparecimento de Davi, além de uma campanha intitulada “Alagoas Quer Saber”, que procurava outros alagoanos desaparecidos e sem informações.

No dia 12 de fevereiro, à pedido do Ministério Público, a Policia Civil indiciou os quatro militares envolvidos no caso.

 

Por Vanessa Siqueira

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *