Últimas

Empresário ligado a Putin é encontrado morto em Washington

Um milionário e homem de negócios próximo ao Kremlin, foi encontrado morto em um hotel de Washington, informou na noite de sexta-feira (6/11) a rede ABC News, que cita um alto funcionário russo e outro americano.

Mikhail Lesin, ex-ministro russo das Comunicações (1999-2004) e acusado pela oposição de ter controlado e censurado a imprensa no país, foi encontrado morto na quinta-feira no hotel The Dupont Circle.

A Polícia de Washington DC disse à AFP apenas que ocorreu uma morte, às 15H00 local de quinta-feira, na avenida New Hampshire, onde entre outros se encontra o hotel The Dupont Circle, o que é “objeto de uma investigação”.

As autoridades americanas informaram o incidente à embaixada russa em Washington. Responsáveis dos dois países investigam as circunstâncias da morte.

“Lesin morreu. É impossível acreditar”, escreveu em sua conta do Twitter Margarita Simonian, chefe de redação da rede de televisão pública RT, que o ex-ministro ajudou a fundar.

Mikhail Lesin tinha 57 anos e morreu de um ataque cardíaco, segundo informou a RT.

O presidente russo, Vladimir Putin, expressou suas condolências aos familiares do ex-ministro, informou o serviço de imprensa do Kremlin.

“O presidente aprecia a enorme contribuição de Mikhail Lesin na fundação da imprensa contemporânea russa”, declarou a jornalistas o porta-voz do Kremlin, Dimitri Peskov.

O senador republicano do estado do Mississippi (sul) Roger Wicker havia pedido em julho de 2014 uma investigação federal sobre Mikhail Lesin por suspeitas de lavagem de dinheiro nos Estados Unidos e de estar em contato com pessoas incluídas entre os sancionados pelas autoridades americanas.

Ministro russo das Comunicações entre 1999 e 2004 e assessor de Putin na criação do Rússia Today, Lesin também foi diretor da empresa Gazprom. A morte ocorre em um momento de relações especialmente tensas entre Moscou e Washington.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *