Últimas

Ex-nadadora Rebeca Gusmão fala sobre vício em Tinder, doping e depressão: “Fui dos 106 kg para 64 kg”

Ex-nadadora Rebeca Gusmão na Filosofia de Buteco - Foto: Alexia Santi/ Divulgação

Ex-nadadora Rebeca Gusmão na Filosofia de Buteco – Foto: Alexia Santi/ Divulgação

Uma das estrelas da edição de aniversário da revista Sexy — com a capa estampada pela panicat Karol Schwonke — a ex-nadadora Rebeca Gusmão falou sobre a vida de atleta, vício em Tinder, o doping e a depressão que a fez chegar aos 64 kg.

Mais bonita e mais magra

Ex-nadadora Rebeca Gusmão na Filosofia de Buteco - Foto: Alexia Santi/ Divulgação

Ex-nadadora Rebeca Gusmão na Filosofia de Buteco – Foto: Alexia Santi/ Divulgação

“Tudo começa depois de uma fase ruim. Tive uma depressão profunda e emagreci muito. Antes, cheguei a pesar 106 kg. Depois de emagrecer até demais (fiquei com 64 kg) comecei um trabalho pra encorpar, dieta com malhação. Hoje dou aula como personal e faço palestras sobre superação e a importância do esporte”.

Sobre a vida de atleta, a ex-nadadora não escondeu o prazer de viver do esporte. “Viver do esporte é o melhor emprego do mundo. Você fica com o corpo bonito, ganha dinheiro, conhece o mundo… Não tem como não gostar. Sempre foi o que eu queria. O problema é que o atleta começa a trabalhar quando para de trabalhar”, comentou.

Sobre o doping

“Nunca precisei de nada pra melhorar meus resultados. Não apareci do nada: eu vinha num crescente. As pessoas falam que eu estava muito forte no Panamericano (do Rio, em 2007, quando Rebeca caiu no doping), mas sempre fui forte. Comparavam uma foto de quando eu tinha 15 anos com uma de quando eu tinha 22! Na primeira foto eu não tinha nem menstruado!”, lembrou.

“Eu fui uma das atletas mais testadas do mundo. Ficou comprovado que houve contaminação bacteriana no meu exame. E ficou essa guerra entre o laboratório e a Federação Internacional. No Brasil, fui absolvida. Na causa do meu banimento, ficou comprovado que foi o laboratório que trocou a minha urina. Só que, infelizmente, tudo no Brasil arrebenta para o lado mais fraco, que, no caso é do atleta. Quando o atleta não tem dinheiro para pagar um advogado, fica mais difícil. O advogado do caso do Cielo custa 250 mil dólares. Entendeu?”

Ex-nadadora Rebeca Gusmão na Filosofia de Buteco - Foto: Alexia Santi/ Divulgação

Ex-nadadora Rebeca Gusmão na Filosofia de Buteco – Foto: Alexia Santi/ Divulgação

Podridão no meio esportivo também foi assunto da entrevista.

“Pra eles [Comitê Olímpico] era mais barato cortar minha cabeça do que me manter. Eu colocava em xeque a credibilidade do laboratório! Fiz cinco exames no Pan. O único que deu positivo foi o que foi pro Canadá, sendo que eu estava com um processo contra o laboratório do Canadá. Como você manda uma urina minha pra lá? Entregaram o ouro pro bandido. Cada vez que leio o processo, dá mais raiva. Mas não vou ficar olhando pro retrovisor. Agora é olhar pra frente”, completou.

Finalizando a entrevista, Rebeca assumiu que era a rainha do Tinder. “Eu era a rainha do Tinder. Era a Tinderella. Até que um dia um amigo falou: ‘Pelo amor de Deus, sai desse Tinder! Tá todo mundo falando Sabe quem tá na roda? A Gusmão’ (risos)”.


Fonte: CENAPOP
Matéria originalmente retirada no site http://Cenapop.virgula.uol.com.br.

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *