Últimas

Farc propõem delimitar zonas especiais de paz na Colômbia

Havana (AFP) – A guerrilha das Farc propôs nesta terça-feira a criação de zonas especiais de paz na Colômbia, onde concentraria seus combatentes e repararia as vítimas do conflito, como parte do acordo que negociam com o governo em Cuba.

Em uma declaração à imprensa, o negociador do grupo rebelde Marcos Calarcá disse que os ditos territórios deverão se estabelecer nas zonas de influência histórica das Farc, armadas desde 1964. 

“O critério principal para a delimitação geográfica de tais territórios será a presença histórica e atual da organização, em relação estreita com as comunidades”, indicou Calarcá. 

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que exercem influência no sul, nordeste e leste do país, principalmente, afirmaram que as forças de paz se organizarão de “maneira excepcional e extraordinária” sob uma regulação “específica” para a “organização política, econômica, social, ambiental e de segurança integral”.  

No entanto, não definiram o número, extensão e vigência dessas juridições especiais, mas disseram que as mesmas formarão “parte integral” da solução definitiva do conflito que travam há meio século com o Estado colombiano. 

Segundo o grupo marxista, os chamados “territórios especiais para a construção da paz” facilitarão a reparação das vítimas do conflito, um dos pontos que negociam com o governo de Juan Manuel Santos como parte de uma negociação iniciada há três anos. 

“Ao mesmo tempo, terão a função de possibilitar a concretização do processo bilateral de cessar fogo e hostilidades definitivo, além do abandono de armas pelas partes”, detalhou. 

As áreas especiais de paz, acrescentaram as Farc, serão habitadas por “ex-combatentes, familiares e entes próximos, e cidadãos vizinhos do lugar”.

A guerrilha, que segundo estatísticas oficiais conta com 8 mil combatentes, pediu ao governo que examinasse a implementação “imediata” de um “plano piloto em um ou mais territórios especiais”. 

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *