Últimas

Greve de petroleiros afeta operações em 48 unidades de produção, diz sindicato

A greve dos petroleiros no País entrou hoje no oitavo dia com operações afetadas em pelo menos 13 Estados, segundo a Federação Única dos Petroleiros (FUP). O balanço da mobilização indica que, além das 48 unidades marítimas que aderiram ao movimento, há paralisações e redução de atividade em refinarias e terminais de distribuição. Na Refinaria Duque de Caxias (Reduc), no Rio, os sindicalistas estimam um prejuízo de R$ 1 milhão por dia com a redução na produção e a interrupção no fornecimento de matéria prima.Na manhã de hoje, os sindicalistas fecharam a rodovia de acesso à Refinaria Landulpho Alves (Rlam), na região metropolitana de Salvador, em protesto contra a prisão de dirigentes e lideranças grevistas. A estratégia do movimento, a partir de agora, será intensificar a articulação com outros movimentos sociais – uma manifestação está marcada para a sexta-feira, no Rio.

“É uma conscientização da sociedade e dos movimentos sobre a greve. Os movimentos já estão conosco na luta, como o movimento estudantil, a CUT, a Via Campesina”, afirmou Deyvid Bacelar, representante dos trabalhadores no conselho de administração da Petrobras. “A gente cobra do governo um posicionamento em relação ao que foi proposto na campanha eleitoral, que não era o desmantelamento da companhia”, completou.

Também pela manhã uma manifestação em São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, foi reprimida pela Polícia Militar. Um grupo de trabalhadores e sindicalistas tentou impedir o acesso ao terminal de distribuição da Transpetro, mas foi retirado à força pelos policiais. Também os terminais da subsidiária de logística da estatal foram bloqueados em São Francisco do Sul, Guaramirim, Biguaçu e Itajaí, em Santa Catarina, e em Paranaguá, no Paraná.

Refinarias
A preocupação dos sindicalistas é a operação nas refinarias. A interrupção da produção poderia afetar o abastecimento de combustível no País. Em diversas unidades, os trabalhadores estão há cerca de sete dias confinados sem troca de turno para evitar a paralisação. Do lado de fora, os sindicatos mantêm equipes de protesto.

Na Refinaria Duque de Caxias (Reduc), na região metropolitana do Rio, o sindicato informou que o carregamento de coque e a entrega de produtos químicos estão parados, provocando prejuízos diários de R$ 1 milhão à Petrobras. Há unidades paradas por falta de equipes de contingência, segundo o sindicato.

“O nível de petróleo na Reduc está cada dia mais baixo devido à greve na Bacia de Campos. A Petrobras nega, mas desde o início da greve o grupo vem sendo mantido preso dentro da refinaria. O jurídico do Sindipetro Caxias já denunciou o fato à Justiça do Trabalho e solicitou a presença de oficial de Justiça para comprovar o confinamento forçado dos trabalhadores”, informou o Sindicato.

Outras unidades também relatam confinamento das equipes de contingência montadas pela direção da Petrobras. Na Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco, as equipes estão sem revezamento há três dias, segundo o sindicato local. Também na Renam, em Manaus, e na Rlam, na Bahia, há relatos de confinamento. No interior de São Paulo, as refinarias Recap e Replan estão sob controle das equipes de contingência, mas já há redução na produção. “A redução se deve à estafa dos operadores, que estão confinados e sem troca de turno”, avaliou Deyvid Bacelar.

Adesões

A greve tem maior adesão na região do Norte Fluminense, onde se concentram as unidades de produção das bacias de Campos e Santos as principais do País. O movimento já tem adesão de 48 unidades marítimas, sendo 30 completamente paralisadas. Desse total, 28 são plataformas de produção e duas são unidades de manutenção e serviços.

A greve também tem adesões na Bahia, com estimativa de redução à metade na produção de campos terrestres. No Rio Grande do Norte, a produção foi interrompida em 13 unidades, impactando em 50% a produção de óleo segundo a FUP. Há adesão também em unidades termelétricas, de produção de biodiesel e terminais de distribuição.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *