Justiça da Colômbia revisará indulto a ex-guerrilheiros do M-19

Partidários da guerrilha M-19 prestam homenagens na comemoração dos 25 anos dos acordos de paz com o governo colombiano. Foto: Raul Arboleda/AFP
Partidários da guerrilha M-19 prestam homenagens na comemoração dos 25 anos dos acordos de paz com o governo colombiano. Foto: Raul Arboleda/AFP

A justiça colombiana revisará o indulto concedido na década de 1990 a ex-guerrilheiros do M-19, que beneficia o prefeito de Bogotá, Gustavo Petro, e o senador Antonio Navarro, revelou nesta segunda-feira o procurador-geral, Eduardo Montealegre.

O ministério público colombiano examinará “os alcances de coisa julgada que têm os indultos que se promoveram há cerca de 20 anos em favor do M-19 (Movimento 19 de Abril)”, disse Montealegre a jornalistas.

Os membros desta guerrilha nacionalista foram indultados no âmbito de um processo de paz, no qual depuseram as armas em 1990, mas o MP revisará “se estas anistias abrangem ou não delitos contra a humanidade e crimes de guerra”, disse Montealegre.

O anúncio ocorre dias após a comemoração dos 30 anos da tomada, por parte do M-19, do Palácio de Justiça, em Bogotá, e de sua violenta recuperação pelas forças armadas, atos que deixaram uma centena de mortos – entre eles 11 magistrados -, além de uma dezena de desaparecidos.

“Temos que determinar se estas anistias e estes indultos abarcam os fatos do Palácio da Justiça”, insistiu Montealegre.

Pelos desaparecimentos forçados e torturas contra pessoas que saíram vivas do edifício, localizado a poucos metros do Congresso e a residência presidencial, o Estado foi condenado no ano passado pela Corte Interamericana de Direitos Humanos (Corte IDH).

Como parte desta sentença, o presidente Juan Manuel Santos pediu na sexta-feira perdão pelos excessos cometidos em 1985 e pela falta de esclarecimento do ocorrido.

O tema causou polêmica na Colômbia porque enquanto alguns militares estão detidos por estes atos e outros são investigados, ex-integrantes do M-19 gozam de imunidade.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *