Últimas

Líder supremo do Irã diz que o Síria deve decidir seu próprio futuro

O líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, em Teerã, no dia 9 de setembro de 2015, em foto cedida pelo gabinete do aiatolá do Irã - Foto: Leader.IR/AFP/Arquivos  (O líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, em Teerã, no dia 9 de setembro de 2015, em foto cedida pelo gabinete do aiatolá do Irã - Foto: Leader.IR/AFP/Arquivos)
O líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, em Teerã, no dia 9 de setembro de 2015, em foto cedida pelo gabinete do aiatolá do Irã – Foto: Leader.IR/AFP/Arquivos

O líder supremo do Irã, o aitolá Ali Khamenei, afirmou neste domingo que país algum pode decidir o futuro da Síria e que a única solução para este país são a suspensão das hostilidades e a realização de eleições. “Nós dizemos que é insensato que os países se reúnam para decidir o destino de um regime e de seu líder, este é um precedente perigoso e nenhum poder no mundo aceitará isso”, afirmou Khamenei, dois dias após a cúpula de Viena sobre a Síria, que reuniu dezessete países, incluindo o Irã, os Estados Unidos e a Arábia Saudita, mas não as partes sírias em conflito.

“Eleições são a solução e, para isso, temos que parar com a ajuda financeira e militar aos rebeldes. A guerra e a instabilidade devem primeiro cessar para que os sírios possam escolher quem eles querem em um clima sereno”, afirmou, ao receber, em Teerã, diplomatas iranianos com postos no exterior.

O Irã reforçou recentemente o seu apoio militar ao regime do presidente sírio Bashar al-Assad, incluindo o aumento do número de “assessores” militares. Teerã acusa os países ocidentais e árabes de ajudarem financeiramente e armarem os rebeldes sírios. Segundo Khamenei, “ao contrário do que se pensa, os Estados Unidos são a origem de uma grande parte dos problemas na região e não fazem parte da solução”.

“Os objetivos dos Estados Unidos na região são 180 graus diferentes dos do Irã”, enfatizou. De acordo com a Khamenei, “o principal fator de insegurança é o apoio dos Estados Unidos ao regime sionista (Israel) e aos grupos terroristas na região”. O líder iraniano ainda descreveu Israel como “um regime usurpador e fantoche.”

A reunião de sexta-feira, em Viena, sobre a crise síria, que contou pela primeira vez com a presença de um representante do Irã, estagnou em muitos pontos, principalmente sobre o destino do presidente al-Assad. “O principal ponto de desacordo é o futuro papel de Bashar al-Assad”, acrescentou o chefe da diplomacia francesa Laurent Fabius. “Mas há uma série de pontos em que estamos de acordo, principalmente sobre o processo de transição, a perspectiva de eleições e como tudo isso deve ser organizado e o papel das Nações Unidas”.

Os participantes consideraram que o Estado sírio deve ser preservado e encarregaram a ONU de negociar um cessar-fogo, indicou à imprensa o secretário de Estado americano, John Kerry. Apesar de ninguém esperar um grande avanço diplomático em Viena, incluindo sobre o futuro papel do presidente Assad, apoiado por Moscou e Teerã, a simples presença dos protagonistas, cujas posições  são extremamente divergentes, é vista como um progresso.

A Rússia, que insiste com o Irã para que o presidente sírio desempenhe um papel na transição política, iniciou em 30 de setembro uma campanha de bombardeios aéreos na Síria que, desde então, teria destruído 1.623 “alvos terroristas”.

O Irã fornece apoio financeiro e militar direto a Damasco, enquanto a Arábia Saudita apoia os grupos rebeldes e participa dos ataques aéreos da coalizão internacional Também participaram da reunião de Viena representantes chineses, libaneses e egípcios, assim como os chanceleres francês, britânico e alemão.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *