Últimas

Policias Civil e Militar empenhadas na captura de “Madruga” em Arapiraca

Assaltante de alta periculosidade fugiu da UE do Agreste com sonda e duas balas no corpo

 

As policiais Civil e Militar estão intensificando as buscas para recapturar o assaltante de alta periculosidade Cristiano Romero o “Madruga”, que fugiu de forma espetacular no inicio da tarde desta quinta-feira (12) de uma das enfermarias da Unidade de Emergência do Agreste onde estava internado sub custódio da Polícia Militar.     .O criminoso foi preso um dia antes, em uma operação da Polícia Civil, que resultou na morte de Paulo Henrique Tavares, filho de “Carlinhos Arapiraca”, numa troca de tiros com os policiais.

No confronto, “Madruga” teria levado dois tiros e estava internado na enfermaria da Unidade de Emergência algemado. A assessoria do hospital informou que ele pediu para ir ao banheiro e, neste caso, as algemas são retiradas do preso para que ele possa fazer as necessidades fisiológicas. Cristiano Romero aproveitou o momento do almoço de enfermeiras teria pulado a janela do banheiro da Unidade de Emergência que não dispõe grades de proteção. Em seguida, “Madruga” teria pulado o muro dos fundos do hospital.

.”Lamentamos a fuga deste preso e a Polícia Militar dará o suporte necessário para que ele seja recapturado o mais rápido possível”, assegurou o comandante do 3º BPM, tem-cel. PM Bittencourt. A Polícia Civil já mobilizou os agentes o preso Cristiano Romero é considerado pelos policiais como um criminoso de alta periculosidade e extremamente habilidoso. “Estamos com nossas equipes mobilizadas e ele pode ser preso a qualquer momento”, assegurou um Agente Civil.

 

O policial disse que as buscas estão sendo feitas em todos os endereços possíveis que “Madruga” poderá ser encontrado em Arapiraca e região Agreste. O criminoso fugiu com uma sonda no corpo e duas balas alojadas que ainda não tinham sido retiradas. Condições que podem facilitar a prisão de Cristiano Romero a qualquer momento, explicou um agente da Polícia Civil.

 

Por Roberto Gonçalves

 

 

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *