Quanto maior o animal, menor e de pior qualidade é o esperma

Por que o esperma dos ratos é maior que o dos elefantes? Um estudo científico, com base em 100 espécies de mamíferos, respondeu que o tamanho do esperma é inversamente proporcional ao dos órgãos reprodutivos.

Contrariando à lógica, animais maiores têm espermatozoides menores e de qualidade inferior, embora mais abundantes.

A seleção sexual e a luta pela reprodução, um dos mecanismos da seleção natural, gerou uma extraordinária diversidade de esperma.

Alguns são pequenos, grandes, longos, curtos, densos e muitos mais, diz o estudo.

“Muitos pesquisadores estão tentando entender por que os espermas são tão diferentes quando todos buscam o mesmo objetivo: fertilizar os ovos de fêmeas”, disse à AFP Stefan Lupold, da Universidade de Zurich-Irchel, na Suíça, co-autor do estudo.

Stefan Lupold e John Fitzpatrick, da Universidade de Estocolmo, mostram que o tamanho de um animal é o fator determinante na evolução do esperma.

Os pequenos mamíferos ficam para trás em quantidade, mas produzem esperma de alta qualidade, com uma alta taxa de sucesso – diz o estudo publicado na revista Proceedings B, uma revista da Royal Society.

Mamíferos maiores desenvolvem em contrapartida uma “estratégia de resíduos”, produzindo uma grande quantidade usando sem restrição.

Como nos maiores mamíferos o sistema reprodutivo feminino é mais amplo, o risco de perder o esperma é maior: por isso, é mais importante a quantidade do que qualidade.

“O aumento da quantidade de esperma é a melhor estratégia. Com mais esperma na corrida, o macho otimiza o resultado da corrida pela fecundação”, disse Stefan Lupold.

Apenas animais grandes podem produzir uma grande quantidade de sêmen, dado que a produção depende do tamanho dos testículos.

“Entre os animais de pequeno porte, o risco de perda ou diluição é muito menor”, portanto, produzem esperma de melhor qualidade, aponta o pesquisador.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *