Últimas

Teori autoriza inclusão de advogado de Cerveró em lista da Interpol

Édson Ribeiro, que defendeu Cerveró, teve prisão decretada nesta quarta. Ele foi para os EUA, e a inclusão na Interpol é requisito para a prisão.

 

O ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, autorizou a inclusão do nome do advogado Edson Ribeiro, que defendia o ex-diretor da Petrobras Nestor Ceveró, na difusão vermelha da Interpol. A decisão foi tomada na noite de quarta (24) e foi remetida agora pela manhã para autoridades policiais.

Ribeiro chegou a ser localizado nos Estados Unidos na quarta, mas não foi detido porque era aguardada a decisão do Supremo sobre a inclusão do nome na lista da Interpol.

Segundo informações do Supremo, com a decisão do ministro, a ordem de prisão deverá ser cumprida em breve.

Edson Ribeiro é suspeito de ter atuado para ajudar o senador Delcidio do Amaral, líder do governo no Senado, a tentar prejudicar acordo de delação premiada entre Cerveró e o Ministério Público. Ou, caso o acordo fosse firmado, impedir que o ex-diretor citasse o nome do parlamentar e do empresário André Esteves, que foram presos nesta terça.

A Polícia Federal (PF) sabe em qual cidade dos Estados Unidos está o advogado, mas não revela para não atrapalhar na prisão. O visto dele foi cancelado.

Relatório da PGR
Em diversos trechos, o relatório da PGR que pediu a prisão do senador, do banqueiro e do advogado aponta supostas tentativas de Delcídio de “embaraçar as investigações”. Fala em “atuação concreta e intensa” do senador e do banqueiro para evitar a delação premiada de Nestor Cerveró, “conduta obstrutiva” e “tentativa de interferência política em investigações judiciais”.

A PGR afirma que os R$ 50 mil mensais prometidos a Nestor Cerveró seriam repassados à  família do ex-diretor mediante um “acordo dissimulado” entre o advogado Edson Ribeiro e o BTG Pactual, do banqueiro André Esteves.

Ainda conforme o relatório da PGR, parte dos valores prometidos a Cerveró seria repassada a partir de honorários advocatícios pagos por André Esteves, ao advogado Edson Ribeiro.

O senador Delcídio do Amaral  também teria prometido a Ribeiro, segundo o documento da PGR, mais R$ 4 milhões em honorários advocatícios.

O relatório foi baseado em gravações realizadas por Bernardo Cerveró, filho de Nestor Cerveró, de duas reuniões recentes – realizadas nos dias 4 e 19 de novembro – com a participação de Delcídio Amaral e André Esteves.

 

G1

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *