Testes de Facebook são uma invasão de privacidade enorme

Testes de Facebook são atraentes e viralizam frequentemente. Não é à toa: os mais divertidos realmente conseguem mexer com a curiosidade da pessoa. Só que nem sempre é uma boa ideia fazê-los. O motivo? Muitos deles são profundamente invasivos e permitem acesso profundo aos dados do usuário.

O exemplo mais recente é um teste que faz uma nuvem de palavras baseado nos termos mais usados pelo usuário ao longo do ano. Interessante, não? O teste ganhou popularidade no Brasil e no mundo e chegou, sim, a ser divulgado no Olhar Digital.

No entanto, a empresa Comparitech decidiu observar os dados aos quais os responsáveis pelo teste estavam tendo acesso, e isso inclui: nome, data de nascimento, cidade, detalhes da sua educação, tudo que a pessoa já curtiu e publicou, fotos publicadas e fotos em que o usuário está marcado, qual navegador ele usa, seu idioma, seu endereço de IP e sua lista de amigos.

O Facebook instaurou há algum tempo um recurso que permite filtrar quais dados o usuário fornece aos aplicativos como este. Alguns serviços aceitam a quantidade reduzida de informação, mas não é o caso deste teste das palavras mais usadas. Se o usuário decide não dar acesso a tudo, o teste não funciona.

A empresa por trás do teste se chama Vonvon.me, que tem algumas políticas de privacidade bastante nebulosas. Elas preveem que, mesmo que o usuário encerre sua conta, a empresa tem o direito de continuar guardando e usando as suas informações, armazenando-as em qualquer servidor espalhado pelo mundo. O texto no documento dá a entender que a empresa  também pode vender esses dados, mas a Vonvon.me nega.

Agora fica por sua conta: vale a pena ceder tantas informações em nome de uma brincadeira no Facebook?

Fonte: Olhar Digital
Matéria originalmente postada no site olhardigital.uol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *