Últimas

Vamos cultivar a felicidade?

Para nós, psicólogos, que estamos sempre sendo perguntados:  o que eu posso fazer para ser feliz? Difícil, é claro, que em meio a tantas barbáries, possamos aconselhar como ser feliz. Entretanto, e por isso mesmo, vale aqui refletirmos sobre o tema.

Vê-se que a busca pela felicidade tem sido uma preocupação cada vez mais importante na contemporaneidade, quando nos deparamos com “mendigos emocionais”.

Diener e Oishi (2013) nos alertam, por meio de suas pesquisas, que pessoas de todos os cantos do mundo consideram a felicidade como ter um objetivo na vida, ser rico ou ir para o céu.  Nas pesquisas, a felicidade, também, está ligada a maiores salários, melhor sistema imunológico até estímulo à criatividade.

Em números¹, tem-se ainda:

  • 40% de nossa capacidade de ser feliz está ligada ao poder de mudança, de acordo com a pesquisadora da Universidade da Califórnia, Riverside, Sonja Lyubomirsky.
  • 85 é o número de residentes em cada 100 que dizem ter sentimentos positivos no Panamá e no Paraguai, países mais positivos no mundo.

¹Matéria publicada originalmente em 2013

Do que se sabe é que a maioria das pessoas entende que a felicidade verdadeira é melhor descrita como uma sensação plena de “paz” e “contentamento”. Não importa como seja definida, a felicidade é parcialmente emocional e, sendo assim, está ligada à máxima de que cada indivíduo tem um ponto de regulação, definido pela bagagem genética e a personalidade de cada um.

Felicidade vai além da emoção. A sensação de felicidade de cada pessoa inclui reflexões cognitivas, e também é considerada um estado mental que pode ser intencional e estratégico.

 

Pense nisso!

 

E para reforçar as nossas reflexões, compartilho com você um texto de Augusto Cury, com quem tive a honra de estar há alguns dias e de ratificar que a felicidade e o amor para serem eternos devemos cultivá-los todos os dias.

 

“Você pode ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não se esqueça de que sua vida é a maior empresa do mundo. E você pode evitar que ela vá a falência. Há muitas pessoas que precisam, admiram e torcem por você.

Gostaria que você sempre se lembrasse de que ser feliz não é ter um céu sem tempestade, caminhos sem acidentes, trabalhos sem fadigas, relacionamentos sem desilusões.

Ser feliz é encontrar força no perdão, esperança nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros.

Ser feliz não é apenas valorizar o sorriso, mas refletir sobre a tristeza. Não é apenas comemorar o sucesso, mas aprender lições nos fracassos. Não é apenas ter júbilo nos aplausos, mas encontrar alegria no anonimato.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.

Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.

Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um “não”. É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Ser feliz é deixar viver a criança livre, alegre e simples que mora dentro de cada um de nós. É ter maturidade para falar “eu errei”. É ter ousadia para dizer “me perdoe”. É ter sensibilidade para expressar “eu preciso de você”. É ter capacidade de dizer “eu te amo”. É ter humildade da receptividade.

Desejo que a vida se torne um canteiro de oportunidades para você ser feliz. E, quando você errar o caminho, recomece. Pois assim você descobrirá que ser feliz não é ter uma vida perfeita. Mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância. Usar as perdas para refinar a paciência. Usar as falhas para lapidar o prazer. Usar os obstáculos para abrir as janelas da inteligência.

Jamais desista de si mesmo.
Jamais desista das pessoas que você ama.
Jamais desista de ser feliz, pois a vida é um espetáculo imperdível, ainda que se apresentem dezenas de fatores a demonstrarem o contrário”.

 

Augusto Cury

 

Ma. Cristiane Souza

Psicóloga/ Leader / Doutoranda em Linguística (UFAL)

Consultora Credenciada SEBRAE/MAC

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *