BC dos EUA eleva taxa de juros após sete anos

O Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) afirmou nesta quarta-feira que irá elevar a taxa básica de juros perto de zero pela primeira vez desde dezembro de 2008 e enfatizou que deve subir os juros gradualmente depois disso, em um teste da capacidade da economia de conseguir se manter com menos suporte de uma política monetária branda.

Os dirigentes do Fed declararam que irão elevar a taxa em 0,25 ponto porcentual na quinta-feira, para a faixa de 0,25% a 0,50% e irão ajustar sua estratégia à medida que avaliarem a performance da economia. Com essas taxas baixas, eles afirmaram, a política monetária permanece acomodatícia.

“O Fed espera que as condições econômicas irão se desenvolver de uma maneira que justifique apenas altas graduais nas taxas dos fed funds”, divulgou a instituição em um comunicado após um encontro de dois dias. Para enfatizar esse ponto, os dirigentes acrescentaram no comunicado que eles antecipam “ajustes graduais” nos juros.

O BC norte-americano manteve a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos para este ano em 2,1% em relação à projeção feita na reunião em setembro. Por outro lado, em 2016, a economia do país deve crescer 2,4%, ante estimativa de setembro de 2,3%, enquanto a previsão de expansão para 2017 permaneceu em 2,2% e a de 2018 ficou em 2,0%. Para o longo prazo, a taxa média de crescimento permaneceu em 2,0%.

Em relação ao emprego, as autoridades do Fed esperam progresso nos postos de trabalho nos próximos anos. Eles acreditam que a taxa de desemprego, que atualmente está em 5,0%, termine o ano de 2015 neste mesmo patamar.

Já a expectativa para a taxa de desemprego para 2016 recuou de 4 8% para 4,7%, a mesma projeção para os anos de 2017 e 2018. A estimativa da taxa de desemprego no longo prazo permaneceu em 4 9%.

O Fed manteve a previsão de inflação em 2015 em 0,4% em relação a projeção de setembro. Para 2016, a estimativa mais recente é de 1,6%, de 1,7% em setembro, e para 2017 a projeção ficou mantida em 1,9%. Em 2018, a expectativa permaneceu em 2,0% de inflação. A projeção no longo prazo continuou em 2,0%.

Para 2015, a previsão do Fed para o núcleo da inflação caiu de 1 4% em setembro para 1,3%. Para 2016, ela diminuiu de 1,7% (setembro) para 1,6% e para 2017 ela permaneceu em 1,9%. Para 2018, a taxa continuou em 2,0%. Fonte: Dow Jones Newswires.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *