Últimas

Bienal abre comemorações dos 200 anos da Escola de Belas Artes da UFRJ

Atores vestidos a caráter, interpretando Dom João VI, sua mãe Dona Maria I, a Louca, a rainha Carlota Joaquina e o filho do casal, Dom Pedro I, percorreram neste sábado (5) as imediações da Praça Tiradentes, no centro do Rio. O cortejo antecedeu a abertura, no Centro Cultural Municipal Hélio Oticicica, da V Bienal da Escola de Belas Artes (EBA) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que reúne obras de 25 alunos-artistas de um dos principais polos de formação em artes plásticas do país.

A Bienal também abre as comemorações dos 200 anos da escola, fundada em agosto de 1816 pelo rei Dom João VI e depois da Independência denominada Academia Imperial de Belas Artes. Já na República, passou a ser chamada de Escola Nacional de Belas Artes, antes do nome atual, resultado de sua vinculação à UFRJ.

Importantes nomes da arte acadêmica do século 19, do modernismo e da arte contemporânea passaram pela escola, que teve sua primeira sede em um prédio já demolido, atrás do  atual Centro Hélio Oiticica. Na década de 70, iniciou exposições periódicas de obras de seus alunos, mas só em 2007 o evento ganhou o nome e o caráter de bienal, sempre com uma temática.

Este ano, as obras são inspiradas no tema Tempo, definido pelo diretor da EBA, Carlos Terra, citando o filósofo Merleau-Ponty, como “uma variável isolada pelo pensamento, mas que, no entanto, não pode ser pensada como uma realidade separada”. Matriculados nos diversos cursos regulares da EBA, mas já ingressando no mercado de trabalho da arte, os alunos criaram trabalhos que se encaixam no tema.   

“A bienal traz a contemporaneidade em que a escola se transformou, sem perder a academia que foi, mesclando os dois trabalhos e produzindo obras para o mundo”, disse o diretor, há seis anos à frente da EBA.

As obras ficarão expostas até fevereiro de 2016 e a Bienal pode ser visitada às segundas, quartas e sextas, das 12h às 20h, e terças, quintas, sábados e feriados, das 10h às 18h. A entrada é gratuita e o Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica fica na Rua Luiz de Camões, 68, no centro do Rio.
Edição: José Romildo

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *