Últimas

China mostra arma a laser em TV estatal

Lasers que podem ser usados como armas, tão comuns na ficção científica, estão cada vez mais próximos da realidade. No mês passado, o canal estatal chinês de televisão CCTV mostrou imagens de uma arma a laser destruindo alvos aéreos em baixa altitude num local de testes militares.

O equipamento, que pode ser visto acima, recebeu o nome de Low Altitude Guardian II (LAG II). Ele foi montado pela Academia Chinesa de Engenharia Física e pela Jiuyuan High Tech Equipment Corporation. O equipamento consiste em uma torre com uma tampa móvel, que deve ser montada sobre um pequeno caminhão para poder ser movida.

A tampa tem o objetivo de proteger o equipamento quando ele não está em uso, além de torná-lo mais discreto para transporte. O LAG II consegue detectar e acompanhar múltiplos alvos automaticamente, mas só realiza o disparo sob comando humano.

Ele poderia ainda, segundo o Popular Science, ser atualizado com radares de outros veículos, que lhes permitiriam acompanhar alvos mais rápidos como foguetes. A arma já é capaz de derrubar drones ou alvejar partes específicas de veículos (como os motores) para desativá-los sem destruí-los totalmente, de acordo com o IFLScience.

Outros lasers

Como o nome sugere, o LAG II é sucessor do LAG I, uma arma semelhante (mas imóvel) com um raio laser de 10 kilowatts de potência e alcance de 2 quilômetros. A arma, mostrada em novembro de 2014, tinha a função de atacar drones de criminosos ou terroristas.

O LAG II é mais potente que o LAG I, mas possivelmente não é a arma laser mais potente da China. Existem rumores que sugerem que o governo chinês também está desenvolvendo lasers mais potentes capazes de atacar e derrubar satélites. A informação sobre esses equipamentos, contudo, é classificada.

Os Estados Unidos também possuem uma arma a laser semelhante: trata-se do LaWS (sigla para “Laser Weapons System”, ou sistemas de armas a laser), que pode ser visto em funcionamento no víde abaixo:

[embedded content] 

Fonte: Olhar Digital
Matéria originalmente postada no site olhardigital.uol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *