Últimas

Compesa entra na guerra ao Aedes e treina funcionários para identificação de focos

Os leituristas da Companhia Pernambucana de Saneamento também aderiram à guerra contra o Aedes aegypti. Nesta quarta, 450 profissionais começaram a ser capacitados para atuar como agentes identificadores de focos do mosquito nas 1,7 milhão de residências do estado, que são visitadas mensalmente para aferição do hidrômetro.

De acordo com a Compesa, foi criado um comitê interno para coordenar medidas de combate nas áreas de atuação da companhia. “O comitê é constituído por representantes de quatro diretorias da Compesa – Regional do Interior, Regional Metropolitana, Mercado e Atendimento e Articulação e Meio Ambiente – e por dois técnicos especializados em monitoramento das Secretarias de Saúde e Planejamento e Gestão”, esclareceu através de nota à imprensa.

No treinamento, os leituristas vão aprender a identificar focos de proliferação do mosquito e deverão orientar os moradores sobre como eliminá-los. Os técnicos sociais e os funcionários das lojas da Compesa distribuirão aos moradores das comunidades e clientes panfletos com informações sobre o mosquito e as doenças por ele transmitidas. Quem ligar para o teleatendimento da Compesa (0800 081 0195 para atendimento geral e 0800 081 0185 para vazamento de água e esgoto) também será informado sobre os cuidados para não deixar água parada em casa. Durante a espera telefônica, o cliente ouvirá uma gravação do médico Dráuzio Varela com essas orientações.

Além desse trabalho de sensibilização, será feita a inspeção das caixas d’água abastecidas pelos 286 carros-pipa administrados pela Compesa em todo o estado. A maioria delas está em localidades afetadas pela crise hídrica no interior que se submetem a rigorosos rodízios de abastecimento. Está sendo elaborado um relatório com o diagnóstico das caixas d’água, identificando quantas são, suas condições e as providências que devem ser tomadas. O documento será entregue ao Governo do Estado.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *