Últimas

Custos de unidades opõem movimento e construtoras

Em Taboão, a associação Novo Milênio funciona como um dos centros de mobilização do MTST. Ali o movimento construiu e entregou 384 apartamentos para seus militantes. As unidades têm 63 m2 – com três quartos – e 54 m2 – de 2 dormitórios.O custo, segundo o MTST, que contratou a construtora Esecon para a obra, foi de R$ 96 mil por unidade, com recursos do Fundo de Desenvolvimento Social (FDS). Esse condomínio, chamado João Cândido, é considerado uma vitrine do MTST. “Construímos mais e melhor do que as construtoras com o mesmo recurso”, diz Boulos. “Por que as construtoras fazem apartamentos de 39 m2 se nós conseguimos chegar a 63 m2?”

Para o vice-presidente do Sinduscon, Ronaldo Cury, as construtoras que operam no MCMV pela modalidade FAR (Fundo de Arrendamento Residencial) trabalham em outro modelo de negócios e entregam “um produto excelente, com áreas de lazer e equipamentos públicos de qualidade”. Desde 2009, quando foi criado o programa, até 2014, as empresas contrataram 1.273.186 unidades – ante 53.882 unidades feitas pelas entidades.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *