Últimas

França abre arquivos de sua colaboração com a Alemanha nazista

A França fez cair os últimos tabus sobre sua colaboração com a Alemanha nazista durante a Segunda Guerra Mundial ao decidir pela abertura dos arquivos do regime de Vichy.

“Acabamos com o medo do escândalo. Assumimos os fatos. Podemos entender melhor o que aconteceu”, aplaudiu o presidente da Associação dos Arquivos Nacionais, Gilles Morin, depois que o governo francês decidiu abrir quase todos os arquivos da polícia e da justiça entre junho de 1940 e julho de 1944.

Durante esse período, a Alemanha nazista ocupou o norte da França, e o marechal Philippe Pétain liderou a zona “livre” a partir de Vichy, uma cidade no centro do país, onde estabeleceu uma política de colaboração com o ocupante, o que levou as autoridades locais a participar nos ataques maciços contra a população judaica.

Essa política causou entre 10.000 e 15.000 mortes e 80.000 deportações de civis, dos quais menos da metade retornou com vida do outro lado do Reno.

Mas ao sair da guerra, valendo-se das ações da resistência liderada pelo general De Gaulle, a França se impôs do lado vencedor, conseguiu um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU, participou da divisão da Alemanha…

E o regime de Vichy foi descrito como “um parêntesis”, um regime desconectado da República Francesa.

Foi preciso esperar até 1995 para que o governo francês liderado por Jacques Chirac reconhecesse a responsabilidade do Estado na deportação de 76.000 judeus para campos de extermínio nazistas.

“Este tempo passou. As gerações envolvidas na Segunda Guerra Mundial já se foram. Não é mais uma questão política quente, podemos reabrir sem risco”, afirma a historiadora Annette Wieviorka.

Foi o atual presidente, Francois Hollande, nascido depois da guerra, que anunciou a abertura dos arquivos em 8 de maio, durante o 70º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial, para combater “as pragas que nos ameaçam: o revisionismo, a alteração da memória, o esquecimento”.

Um americano rompeu o mito

Até então era preciso pedir uma autorização, um processo que poderia levar entre 15 dias e seis meses, para ter acesso aos arquivos em questão, explica Wieviorka.

A partir de agora, apenas alguns documentos permanecerão inacessíveis, “aparentemente relacionados com a vida privada”, acrescenta.

“No entanto, não devemos falar sobre uma França com arquivos fechados”, afirma Denis Peschanski, membro do Centro Francês de Pesquisa Científica (CNRS). “Graças a esses arquivos, foram escritos dezenas de livros sobre a França dos anos sombrios”, ressalta.

Não foi o caso da “França de Vichy”, um dos livros mais emblemáticos sobre o regime Pétain, que o americano Robert Paxton escreveu graças aos arquivos alemães roubados pelo exército dos Estados Unidos.

Sua publicação, em 1973, revelou a cooperação do Estado francês com a Alemanha nazista, o oposto do mito de um país unido na resistência contra o ocupante.

Os historiadores acreditam que haverá poucas novas revelações sobre o regime de Vichy, dada as numerosas pesquisas publicadas sobre o assunto.

Além do Estado francês, estima-se que entre 150.000 e 200.000 franceses foram “colaboradores” e centenas de milhares de pessoas se “adaptaram” à situação, lembra Denis Peschanski.

Apesar deste avanço, a França segue sem anunciar a abertura dos arquivos das guerras de Indochina e Argélia, que também foram amplamente estudados.

“A desclassificação sistemática é a norma nos Estados Unidos e Reino Unido. Nos países do leste europeu, os arquivos foram abertos rapidamente após a queda do muro [de Berlim]”, diz Morin. “Mas na França temos medo da nossa sombra”
.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *