Últimas

Gafe: Depois de apresentador anunciar a vencedora errada, filipina é eleita a Miss Universo 2015

Pia Alonzo tem 26 anos e é atriz e modelo
Pia Alonzo tem 26 anos e é atriz e modelo

 O Miss Universo 2015 poderia entrar para a história por diversos motivos, mas com certeza será lembrado como a edição em que o apresentador pisou feio na bola e anunciou o resultado errado. O ator Steve Harvey, que comandava a cerimônia, apontou a colombiana Ariadna Gutierrez como vencedora do título. Quando a bela já havia recebido aplausos, a faixa e a coroa da Miss Universo 2014, Paulina Vega – que, por acaso, é colombiana e prima de Ariadna -, Harvey aparece uns cinco minutos depois com a cara mais lavada do mundo e pede desculpas, dizendo que cometeu um equívoco ao ler os envelopes. Na verdade, a vencedora havia sido a Miss Filipinas, Pia Alonzo, antes anunciada como segunda colocada. 

Envergonhado com a gafe, Harvey deixou o palco. Sobrou para a Miss Universo 2014, reparar o erro. Tirou a coroa da cabeça da prima e a colocou na Miss Filipinas, que ainda parecia não entender o que estava acontecendo. A Miss Estados Unidos, Olivia Jordan, que ficou em terceiro, chacoalhava a colega: “Foi você que ganhou!”. Transmissora do concurso, a Fox tirou o sinal do ar, não dando tempo nem para Pia fazer seu desfile como vitoriosa. 

O concurso foi realizado em Las Vegas (EUA) e contou com mais de 80 concorrentes. A gaúcha Marthina Brandt, Miss Brasil, ficou entre as 15 melhores colocadas, mas deixou a competição depois do desfile de de traje de banho. O Brasil venceu a disputa em apenas duas ocasiões, em 1963 (Ieda Maria Vargas) e em 1968 (Martha Vasconcellos). Esta é a terceira vez que uma filipina ganha a coroa. As outras duas foram em 1969 e 1973.

Vencedora

Pia Alonzo Wurtzbach é praticamente uma celebridade nas Filipinas. Tanto que a torcida dela na internet quase derrubou o site do Miss Uiversodo ar. Com 26 anos, é atriz e modelo. A nova Miss Universo nasceu em Stuttgart, na Alemanha e cresceu em Cagayan de Oro , Filipinas. Ela ficou conhecida como modelo de uma marca de cosméticos na Filipinas. Ela ainda é estilista e escreve para uma seção de estilo de vida em um dos principais jornais de Manila, capital filipina.

CONFIRA O MOMENTO DA REPARAÇÃO

[embedded content]

Entre 2002 e 2015, o Miss Universo era organizado por meio de uma parceria entre a rede de televisão NBC e o empresário Donald Trump. Em julho deste ano, após os comentários de Trump com relação aos imigrantes mexicanos durante o lançamento de sua pré-candidatura à presidência dos Estados Unidos em 2016, a emissora cortou todos os laços com o empresário, inclusive cancelando a transmissão dos concursos ligados a ele.

A saída de Trump da organização da disputa só fez bem à cerimônia, que ficou muito mais moderna e interativa. Pela primeira vez, o público funcionou como um dos cinco jurados, através de votos pela internet (um dos fatores para a vitória da filipina). Foi o público também que elegeu o prêmio de melhor traje típico (Tailândia). Na reta final, quando sobraram apenas as misses Filipinas, Colômbia e EUA, as outras 77 candidatas eliminadas também puderam votar em sua favorita – é provável que a colombiana tenha perdido aí, já que era apontada por muitos como antipática nas dinâmicas de grupo.

Colômbia ficou em segundo e EUA, em terceiro. Brasileira figurou entre as 15 mais belas
Colômbia ficou em segundo e EUA, em terceiro. Brasileira figurou entre as 15 mais belas

Antes padronizadas,  as próprias candidatas puderam escolher os trajes de banho que iriam desfilar. A etapa das perguntas também foi mais diferenciada. Ao invés daquelas questões clichês, elas foram indagadas sobre discussões atuais em seus próprios países: a francesa foi perguntada como lidar com o terrorismo; a norte-americana sobre a política de armas; a australiana sobre a legalização da maconha; a colombiana sobre o combate às drogas; e a filipina sobre a presença de uma base militar norte-americana no território de seu país.

Num dos momentos mais emocionantes da noite, o público descobriu o drama da Miss Eslovênia, Ana Halozan. Durante os cerca de 20 dias em que as candidatas ficaram confinadas, participando de eventos e ensaios, a candidata desmaiou e ficou com um dos lados do corpo paralisado, sendo proibida pelos médicos de participar da cerimônia final. Mas Ana apareceu no palco numa participação especial e recebeu um buquê de flores da Miss Universo 2014, Paulina Vega.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *