Professores alemães querem incluir 'Minha luta', de Hitler, nos programas escolares

Berlim (AFP) – A associação alemã de professores defendeu nesta sexta-feira que a edição crítica de “Minha luta” (no original “Mein Kampf”), de Hitler, seja ensinada nas escolas para “vacinar” os adolescentes contra o extremismo político.

O virulento discurso antissemita do líder nazista não era editado na Alemanha desde o fim da Segunda Guerra Mundial, mas uma edição crítica revisada será publicada no ano que vem.

Os direitos autorais estiveram durante 70 anos nas mãos do estado da Baviera, que se recusou a autorizar a reimpressão do livro. Em 2015, os direitos autorais foram liberados.

As autoridades alemães planejam processar os editores que publicarem o livro sem aparato crítico, acusando-os de “incitação ao ódio racial”.

O Instituto de História Contemporânea de Munique pretende publicar em janeiro uma “edição crítica” de “Minha luta” que agrega contexto com comentários históricos em cerca de 3.500 notas de rodapé.

A associação de professores propõe que trechos selecionados sejam ensinados a estudantes com mais de 16 anos, segundo a edição on-line do jornal econômico “Handelsblatt”.

O odioso panfleto pode ser incluído nos programas de aula e apresentado por experientes professores de História e de Política, o que poderia, de acordo com a associação, contribuir para “vacinar os adolescentes contra o extremismo político”.

A prominente líder da comunidade judaica alemã Charlotte Knobloch se opõe à ideia e declarou ao “Handelsblatt” que usar a “profunda diatribe antissemita” como material escolar pode ser irresponsável.

Em tempos de aumento do populismo de extrema direita, ensinar valores humanistas e princípios democráticos é indispensável, argumentou.

“Uma análise crítica de ‘Minha luta’, essa antítese da humanidade, da liberdade e da abertura ao mundo pode aumentar a resistência frente a essas tentações e a esses perigos”, acrescentou Ernst Dieter Rossmann, um socialdemocrata de centro-esquerda, em entrevista ao mesmo jornal.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *