Rio de Janeiro faz terceiro mutirão de combate ao mosquito Aedes aegypti

A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro começou nesta segunda-feira, na Grande Tijuca, zona norte do Rio, a terceira etapa do mutirão de combate ao mosquito Aedes aegypti, vetor da dengue, do vírus zika e do chikungunya.

A ação tem como objetivo, além de eliminar possíveis focos de proliferação do mosquito, promover o envolvimento da população para que todos colaborarem no combate ao inseto em suas próprias residências.

O coordenador-geral de Atenção Primária da Região da Grande Tijuca, Alexandre Modesto, acredita que o Rio tem grande potencial para ter de enfrentar um número elevado de casos, por causa do calor no verão.

%u201CA gente tem a previsão de passar pelo verão mais quente dos últimos 50 anos, o que trará muita chuva e provocará aumento no número de vetores da doença. A área da Grande Tijuca tem o terceiro pior índice do Rio. Levando tudo isso em consideração, é inevitável que a preocupação seja enorme%u201D, disse.

Como a maioria dos focos está dentro das casas, Modesto reitera a importância da população no combate ao mosquito. De acordo com o coordenador-geral, um dos grandes vilões está escondido no banheiro.

%u201CTodos sabem dos focos clássicos, que são a caixa d%u2019água destampada, as piscinas e os vasos de planta. Mas o que poucos sabem, e que causa surpresa, é que os ralos dos banheiros também são locais de proliferação dos mosquitos%u201D, alertou.

Ele explicou que os ralos ficam tampados e não se consegue ver o fundo. Outro fato é que a maioria tem a sua área de escoamento prejudicada porque galhos e folhas ficam presos, impedindo a passagem e acumulando água no fundo.

%u201CIsso se torna um criadouro perfeito para o mosquito, já que ali há água parada, em um ambiente escuro ao qual as pessoas não têm acesso, ajudando no desenvolvimento da larva%u201D, disse.

A Secretaria Municipal de Saúde conta com mais de três mil agentes de vigilância ambiental. As equipes estão em toda a cidade, durante todo o ano, mesmo nos meses de menor presença do mosquito.

Antes da Tijuca, foram promovidos mutirões nas regiões de Madureira, Santa Cruz e Sepetiba, e também em Campo Grande. Em 2015, até o momento, foram feitas mais de 9 milhões de visitas de inspeção a imóveis em busca de focos do vetor, eliminando 999 mil depósitos e tratando outros 3 milhões.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *