Vale não podia usar barragem, diz secretaria

A Secretaria do Meio Ambiente de Minas informou ontem que o transporte de rejeitos de minério de ferro da mina de Alegria, da Vale – controladora da Samarco -, para a barragem de Fundão não estava previsto no processo de licenciamento da represa. Conforme a pasta, o transporte podia ser feito desde que estivesse dentro dos autos de licenciamento.

Segundo a Vale, 5% dos 55 milhões de m³ de rejeitos de minério de ferro de Fundão, que se rompeu em 5 de novembro, saíram da mina de Alegria. Segundo o Ministério Público Federal, o volume seria ainda maior, de 28%. Para justificar o transporte de rejeitos, a Vale apresentou contrato de 1989, entre a empresa Samitri e a Samarco, estabelecendo o envio do material. A duas empresas foram compradas pela Vale na década de 1990.

Subiu para 16 o número de mortes confirmadas pelo rompimento da barragem de Fundão, no Distrito de Bento Rodrigues, em Mariana. Segundo a Polícia Civil de Minas, o corpo achado ontem perto do distrito de Camargos, a 7 km do local do acidente, é de Antônio Prisco de Souza, de 74 anos, morador de Bento Rodrigues. O reconhecimento foi feito por familiares.

Com a identificação, cai para três o número de desaparecidos depois da tragédia.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *