Últimas

Após recesso, Obama diz estar "motivado" com 2016

Foto: Nicholas Kamm (Foto: Nicholas Kamm)
Foto: Nicholas Kamm

Após passar duas semanas de férias em seu Hawaii natal, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, regressou neste domingo à cidade de Washington e disse estar “motivado” para seu último ano no cargo e listou uma série de assuntos para resolver em especial o tema da violência com armas de fogo.

Sua prioridade máxima é tomar ações executivas que visam dificultar o acesso à compra de armas. Obama vai se reunir nesta segunda-feira com a procuradora-geral norte-americana, Loretta Lynch, para abordar as opções que poderiam ser tomadas para ajudar a reduzir a violência com armas.

Esta ação, que encontra uma ferrenha oposição republicana e provavelmente dará início a uma batalha legal, sublinha o desejo de Obama de manter uma estratégia enérgica em 2016, ainda que a atenção da população esteja centralizada nas próximas eleições presidenciais.

Obama passou boa parte de sua viagem longe do público, jogando golfe com amigos e ceando em restaurantes da ilha de Oahu com sua família. Ele também trabalhou em seu último discurso sobre o Estado da Nação, previsto para 12 de janeiro.

A aparição ante o Congresso é uma grande oportunidade para que o presidente esclareça a população sobre sua estratégia de segurança nacional depois dos atentados terroristas de Paris e San Bernardino.

“Nas próximas semanas e meses, o povo norte-americano pode contar que o presidente vai seguir comunicando-se diretamente sobre seu compromisso na luta contra o terrorismo e para proteger o país”, disse o porta-voz de Obama, Eric Schultz.

Os republicanos no Congresso têm esboçado planos que podem complicar a vida de Obama em janeiro, assinalando que passaram os primeiros dias do ano tentando de novo eliminar peças-chave da lei do seguro médico, por exemplo.

O debate sobre as medidas de Obama em matéria de armas se estenderá com rapidez à campanha presidencial. A favorita do Partido Democrata, Hillary Clinton, já pediu ações executivas mais agressivas neste campo, enquanto que os aspirantes republicanos se opõem em grande parte a aumentar as comprovações de registro e outras medidas que limitem o acesso a armas.

Em seu programa semanal de rádio, Obama disse que milhares de pessoas morreram vítimas de armas de fogo desde que a legislação sobre comprovações de registro se viu paralisada há três anos.

Apesar das profundas diferenças com os republicanos, Obama tem planejado dois projetos para 2016 com apoio bipartidarista: a Parceria Transpacífico, acordo de livre-comércio com outros 11 países, e mudanças no sistema de justiça penal, que reduziriam a taxa de pessoas encarceradas por delitos violentos.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *