Últimas

Carnaval 2016: Blocos levam lirismo às ruas do bairro do Recife

Quem passou pelas ruas do Bairro do Recife, no início da noite desta segunda-feira, pode observar diversos blocos carnavalescos. A programação oficial do Carnaval do Recife prevê apresentação de quinze blocos líricos no polo Marco Zero. Dentre os mais tradicionais, estão o Bloco das Flores, Batutas de São José e Bloco da Saudade.    

 (Foto: Ketheryne Mariz/ Especial DP.)

O bloco das Flores foi às ruas em homenagem a Francisco Brennand, com o tema “O mestre dos sonhos”. “O primeiro bloco lírico de Pernambuco é uma tradição genuína do Recife,  por isso, depois de tanto tempo parado, decidimos resgatá-lo”, comenta Jane Emirce, presidente e componente do bloco.

 (Foto: Ketheryne Mariz/ Especial DP.)

O Bonde Bloco Carnavalesco Lírico, fundado em 1951, decidiu se auto homenagear, o Bonde desfilou em homenagem aos 25 anos de existência do bloco. O grupo saiu com as fantasias que mais marcaram as décadas do Bonde. “Ano passado desfilamos em homenagem ao Recife de antigamente, que era Recife da época dos bondes. Então neste ano decidimos trazer as fantasias que mais marcaram o nosso bloco” declarou Cid cavalcante, presidente e fundador.

 (Foto: Ketheryne Mariz/Especial DP.)

Maria da Silva Almeida, de 73 anos, contou uma curiosidade sobre os Batutas de São José. A co-fundadora explicou que o bloco foi fundado em 5 de junho de 1932, e que apesar de sempre presente na folia, só agora está a frente do bloco. Diferente de alguns blocos que são herdados por parentes e se mantém vivos com ajuda de familiares, Maria veio de família evangélica, mas optou pelo lado folião. “Na minha família eram todos evangélicos. Quem tomava conta da agremiação eram meu marido, fiquei viúva e o outro marido quem passou a cuidar, fiquei viuva novamente e hoje, presidenta, conto com cerca de 110 pessoas para compor ao bloco” disse Maria.

 (Foto: Ketheryne Mariz/Especial DP.)

O Bloco da Saudade nasceu, como está explícito no nome, de um saudosismo. O grupo foi pensado em memória de 13 blocos que foram extintos. O hino do bloco sauda e menciona todos os 13. Fundado em 1973, o Bloco da Saudade só ganhou às ruas em 1974.Apesar de ser um dos mais conhecidos e lembrados, de acordo com a diretora social, Maria Claudia, o Bloco da Saudade não participa para concorrer pois não é um bloco oficial. “No início eram poucas pessoas que se uniam ao grupo. Em 1980, depois de receber ajudas de amigos, ao bloco foi retomado.Hoje a média é de mais de cem componentes fora a orquestra” afirma a diretora social.
Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *