Últimas

CarPlay: o limitado sistema da Apple para carros [review]

Da Redação do site Tudocelular.com.br

Depois de falar sobre o Android Auto, resolvi que seria bem bacana poder bater um papo sobre o sistema para carros concorrente e criado quase que no mesmo tempo: o CarPlay, da Apple. O sistema já está pronto e funcionando no Brasil há certo tempo, mas ele é bem mais limitado e sofre de uma falha que limita ainda mais suas possibilidades: não é possível utilizar mapas com traçado no carro, no Brasil. As minhas impressões sobre este sistema, em um Fox 2016, você encontra nas linhas abaixo.

O que ele faz?

O CarPlay é um sistema que vai substituir a interface da tela que está no console do seu carro (ou até no sistema de som, independentemente do carro) e que adiciona uma interação com o smartphone, que é maior do que o próprio sistema que está no carro e que foi criado pela fabricante do veículo. Hoje, temos uma série de carros dos mais variados preços e que contam com sistemas embarcados, que colocam várias ferramentas para controle de recursos do veículo e também para conversar com o smartphone – via Bluetooth ou cabo. Eles são sempre lentos, com interfaces não muito amigáveis e as interações são limitadas aos contatos e músicas, sem tirar proveito da parte “smart” que está no nome smartphone. O CarPlay, assim como o Android Auto, substitui esta interface e faz o sistema operacional da Apple aparecer na tela do carro, com uma interface que lembra muito aquilo que você já tem no iPhone e que agora pode ser controlado pelos dedos em uma tela maior.

O resultado é que você pode interagir com muito mais intensidade e o smartphone está muito mais dentro do carro, do que antes. Além disso, a velocidade de transição de telas e de abertura de apps é muito maior do que qualquer sistema embarcado já criado – já que smartphones sabem como criar software, é bom deixar as fabricantes de carro para criar apenas o hardware. A interface exibida pelo CarPlay lembra muito o que você vê no iOS do seu smartphone antes de plugar no carro, com ícones no mesmo formato daqueles que estão no iPhone e em uma disposição bem semelhante. O bacana é que estes ícones estão imensos, perfeito para o motorista que não deve ficar com a atenção na tela do console do carro – e deixar a atenção para a rodovia, certo?

Os ícones que aparecem fazem exatamente aquilo que eles já fazem no smartphone. O de telefone abre a lista de favoritos, todos os contatos, chamadas recentes, teclado para discar um número novo e até acesso para a caixa postal. O seguinte é de música e abre todas as músicas que estão dentro do iOS, o de mensagens está logo ao lado e nele você lista as mensagens mais recentes e, em uma tela separada, as mensagens que você ainda não leu. O “Reproduzindo Agora” exibe a canção que está em execução (independentemente do app de origem, se do Música, Spotify, TuneIn ou outros), há ainda apps para Podcasts, Audiolivros e todos os outros apps terceiros e que oferecem suporte ao CarPlay, como o Spotify, TuneIn e o Stitcher Radio, ou o Overcast – cada um com seu ícone e no mesmo desenho (e formato) do ícone que aparece no iPhone.

É prático?

A interface de dentro de capa app é bem semelhante ao que você tem no seu celular, com algumas alterações para deixar botões maiores e mais simples de entender, sem a necessidade de ficar olhando para descobrir o que você faz depois de abrir o app. Um que faz falta e que faz com que o CarPlay fique extremamente limitado no Brasil é o de mapas. Como é impossível traçar rotas com guia de voz e com os mapas da Apple no Brasil, esta opção está totalmente ausente na tela inicial. Não ter o único app de mapas compatível com o CarPlay transforma o sistema em uma opção inferior ao que o Android Auto oferece (que já tem suporte ao Google Maps na tela do carro e com a rota traçada, dizendo onde virar e até o nome da rua).

Toda a interação ocorre por toque na tela e com a ajuda da Siri, que pode ser acionada pelo botão virtual que está no canto inferior esquerdo, ou o botão de comandos de voz que seu carro já tem no volante. A Siri responde as mesmas coisas que já pode responder no smartphone, como ler um SMS que acabou de chegar, falar qual foi o resultado do jogo de futebol e até responder se você vai precisar de um guarda-chuvas nesta tarde. O app de mensagens não permite a leitura do conteúdo do SMS (ou da mensagem do iMessage) e este é outro fator que limita o uso do CarPlay: ele não permite o envio e leitura de mensagens que chegam por apps terceiros, como Telegram, Skype, WhatsApp ou Messenger. Todas estas mensagens devem ser lidas direto na tela do smartphone, que ainda pode ser utilizado mesmo com o CarPlay funcionando.

Conclusão

Como o CarPlay não oferece mapas para o Brasil, mesmo que o sistema já funcione em território tupiniquim desde o iOS 8.3, sua utilização fica bastante limitada. Uma forma de contornar o problema acontece se você utiliza o CarPlay e abre o app de mapas preferido no smartphone, para traçar a rota e utilizar em conjunto com o sistema da Apple. Não é uma solução prática e nem inteligente, mas é “o que tem para hoje”. Outro fator que limita as possibilidades do CarPlay é que você não pode saber qual foi a mensagem que recebeu no WhatsApp, por exemplo – muito menos responder. A única forma de envio e recebimento de mensagens pelo sistema é via SMS ou iMessage e, convenhamos, se você tem internet e um smartphone, SMS é a última forma de mensagem que você utilizará, certo?

Por outro lado, a interface é mais amigável do que no Android Auto, os botões são simples de entender logo de cara e a interface dos apps é quase que a mesma que está no iPhone plugado no carro. Tudo isso ajuda na curva de aprendizagem e faz o CarPlay mais amigável. Poder utilizar o smartphone mesmo com o sistema em uso, é outro ponto positivo.

Quem sabe, quando a Apple finalmente liberar as rotas com guia de voz para o Brasil e o CarPlay liberar o app de mapas para sua interface por aqui, meu comentário mude. Porém, hoje, o CarPlay é apenas um tocador de músicas mais caro para seu carro. Se você quer uma forma realmente inteligente e esperta para transformar seu carro em algo mais smart, olhe para o Android Auto (você pode ler minha resenha sobre ele, clicando aqui) ou fique com o sistema que a própria fabricante já criou (geralmente, ele tem mapas).

O carro utilizado nesta resenha é um Fox Track de 2016, que vem com o sistema chamado App-Conected e que suporta o MirrorLink, Android Auto e Apple CarPlay.

Texto por André Fogaça (andre@tudocelular.com)

Fonte: Tudocelular.com.br
Notícia originalmente postada pelo site Tudo Celular.

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *