Caso Petrobras é escolhido um dos 9 maiores casos de corrupção no mundo

A ONG (organização não-governamental) Transparência Internacional elencou, em uma votação popular, os casos mais conhecidos de corrupção no mundo atualmente.

Entre os nove mais votados, está o caso da Petrobras, investigada pela Operação Lava Jato. Além da empresa brasileira, foram escolhidos também o ex-presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovych, as denúncias de propina envolvendo dirigentes da Fifa ( Federação Internacional de Futebol) e a legislação do Estado norte-americano de Delaware, que permite o registro de empresas anônimas, entre outros.

A campanha, batizada de “Desmascarar os Corruptos”, atraiu dezenas de milhares de votos, disseminando a denúncia de casos, segundo nota da ONG. Ao todo, foram 383 casos identificados pelo público.

Ainda de acordo com a entidade, os nove casos foram escolhidos não apenas com base no voto popular do público, mas também por causa do seu grande impacto em termos de direitos humanos e da necessidade de destacar um lado menos visível da grande corrupção, tais como leis que permitem que empresas e indivíduos que facilitam corrupção operem anonimamente”.

Como uma próxima etapa, a ONG  pretende exigir sanções sociais e políticas nos casos destacados. A organização apoia, por exemplo, o projeto 10 Medidas contra a Corrupção, iniciativa do Ministério Público Federal para agilizar o combate aos malfeitos e desvios de verbas do Tesouro.

Veja abaixo os casos mais votados.

  • Senador Felix Bautista da República Dominicana
  • Zine Al Abidine Ben Ali, ex-Presidente da Tunísia
  • Delaware, estado norte-americano que permite o registro de empresas anônimas
  • FIFA
  • Fundação Akhmad Kadyrov da Chechênia
  • Corrupção sistemática do governo, autoridades e instituições no Líbano
  • Ricardo Martinelli, ex-Presidente do Panamá, e seus comparsas
  • Petrobras
  • Ex-Presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovych
     

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *