Últimas

Combate pelo controle de um porto deixa 30 mortos em Benghazi

(Atualiza número de mortos e acrescenta informações).

Trípoli, 21 fev (EFE).- Pelo menos 30 combatentes, em sua maioria soldados do exército ligado ao governo de Tobruk, morreram neste domingo em um sangrento combate pelo controle do porto de Al Marisa, em Benghazi, na Líbia.

Segundo o relato de uma fonte de segurança à Agência Efe, no confronto morreram 22 homens das forças armadas dirigidas pelo controvertido general Khalifa Hafter, chefe do exército leal a Tobruk, e sete membros das milícias Maylis al Shura e Zuar Benghazi, ligadas ao Executivo em Trípoli.

“Os números são provisórios porque ainda há muitos corpos no terreno”, detalhou a fonte em Bengazi, que preferiu não ser identificada.

Durante a batalha, que também deixou cerca de 50 feridos de ambos lados, as forças de Hafter conseguiram controlar por algumas horas o citado porto, que foi recuperado depois pelos soldados de Trípoli.

O responsável militar acrescentou que os combates prosseguem na região e em outros bairros da cidade, onde também se luta contra os grupos jihadistas.

Benghazi é cenário contínuo de combates desde que em maio de 2014 o general Hafter, membro da cúpula que levou Muammar Kadafi ao poder em 1969, suspendeu um cerco para combater às forças ligadas ao governo de Trípoli.

A ofensiva deixou centenas de milhares de deslocados internos e permitiu que os jihadistas aproveitassem a divisão para tomar o controle de alguns dos bairros desta cidade, capital dos rebeldes durante a revolta que em 2011 provocou a queda do ditador.

Desde aquele ano, a Líbia é vítima do caos e da guerra civil, aonde o jihadismo conseguiu consolidar-se e estender sua ameaça aos demais estados da região.

Os fanáticos controlam as cidades de Derna, vizinha ao Egito, e de Sirte, seu principal bastião no litoral do Mediterrâneo, e conseguiram estabelecer postos em localidades do oeste como Sabrata, no meio caminho entre a capital e a fronteira com a Tunísia.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *