Últimas

Dupla de ataque é a maior dúvida de Bauza nos primeiros jogos no São Paulo

Sete jogadores de ataque para duas vagas. Essa é a realidade do São Paulo sob o comando de Edgardo Bauza neste começo de temporada. Após quatro jogos à frente do time, o treinador argentino deu chance a seis atacantes: Centurión, Alan Kardec, Calleri, Kieza, Rogério e Wilder.

Além deles, Bauza terá Kelvin à disposição a partir da próxima partida, contra o Corinthians, em Itaquera, no domingo. O ex-jogador do Palmeiras é mais uma opção para o lado do campo, assim como Centurión, Rogério e Wilder. Os outros três atacantes atuam na referência.

No esquema 4-2-3-1, o treinador argentino escalou os reservas na vitória por 4 a 0 sobre o Água Santa no último sábado. Nos outros três jogos, Bauza escalou os titulares e pouco mexeu na composição do meio-campo.

Hudson e Thiago Mendes foram escalados na contenção, com Ganso centralizado na linha de três e Michel Bastos à esquerda. Centurión ganhou a vaga de titular, mas viu Rogério, concorrente direto, dar a vitória para o São Paulo diante do Cesar Vallejo.

Wilder também destacou-se no triunfo são-paulino sobre o Água Santa. Atuando pela esquerda, o atacante colombiano deu assistência para o gol de Calleri, A partida acabou marcada pela troca de esquema — o São Paulo passou a atuar no 4-4-2, com Rogério e Wilder abertos no meio-campo, além de Kieza e Calleri no ataque.

Na referência, Alan Kardec ganhou a forte concorrência de Calleri. O argentino marcou três gols em 212 minutos em campo, iniciando dois como titular. O atacante brasileiro, por sua vez, jogou 148 minutos e ainda não foi às redes.

No ano passado, quando o time era comandado por Juan Carlos Osorio e Milton Cruz, o São Paulo tinha menos opções para o ataque. Além de Wilder, Rogério, Centurión e Kardec, o time contava com Alexandre Pato e Luis Fabiano.

O quarteto, porém, teve poucas chances. Pato atuava pelo lado esquerdo, com Michel Bastos à direita. Na referência, Luis Fabiano atuou na maior parte dos jogos — Kardec, com lesão grave no joelho, voltou às atividades somente em outubro, depois de seis meses parado. 

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *