Últimas

FBI x Apple: Empresa contestará ordem judical que exige acesso a iPhone de atirador

A Apple afirmou que pretende contestar uma ordem judicial exigindo que a empresa ajude o FBI no acesso aos dados do telefone do atirador de San Bernardino, Syed Rizwan Farook.

A empresa havia sido ordenada pela Justiça a contornar o software de segurança no iPhone de Farook – aparelho que, segundo o FBI, contém informações cruciais para as investigações do caso.

Em dezembro de 2015, Farook e sua mulher, Tashfeen Malik, dispararam contra dezenas de pessoas em San Bernardino, na Califórnia, matando 14 e ferindo 22. Os dois acabaram sendo mortos pela polícia.

“O governo dos Estados Unidos exigiu que a Apple desse um passo sem precedentes que ameaça a segurança dos nossos clientes”, afirmou em comunicado na terça-feira o CEO da empresa, Tim Cook. “Nós nos opomos a essa ordem, que tem implicações muito além do caso (de Farook)”.

Desde setembro de 2014, dados dos mais recentes dispositivos da Apple – como mensagens de texto e fotografias – passaram a ser criptografados.

Se um dispositivo é bloqueado, é necessário colocar a senha do usuário para acessar os dados. A Apple alega que nem mesmo a sua própria equipe poderia acessá-los.

Além disso, ao se introduzir um código incorreto 10 vezes, apagam-se automaticamente os dados do telefone, se esta opção tiver sido ativada.

O FBI pediu que a Apple fizesse duas coisas: permitir tentativas ilimitadas de acesso ao aparelho sem apagar dados e implementar uma forma de tentar rapidamente diferentes combinações de senha.

Essa tática é conhecida como “força bruta” e funciona tentando todas as combinações possíveis até se chegar à correta e desbloquear o telefone.

Acredita-se que Farook tenha usado um código de quatro dígitos, o que, em termos de probabilidade, significa que existem 10 mil combinações possíveis.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *