Grande Rio aposta no luxo e em efeitos especiais para homenagear Santos

Rio – A crise parece ter passado longe da Grande Rio. Mesmo sem o patrocínio esperado da prefeitura de Santos, cidade homenageada pela agremiação, a escola de Caxias fez um desfile luxuoso, com bonitos efeitos especiais.

Já na comissão de frente, a opulência chamava a atenção. Os coreógrafos Priscilla Mota e Rodrigo Negri foram à Argentina buscar a tecnologia para uma imensa bola de futebol, que era inflada e encobria a Fonte de Itororó, atração turística da cidade. No topo, o ator Mateus Renan encarnava Pelé, ora como jogador do Santos, ora como campeão do mundo, com o uniforme da Seleção. “É uma honra e uma responsabilidade fazer o papel do Pelé. Estamos ensaiando há quatro meses, inclusive na Argentina”, contou Renan.

O carnavalesco Fábio Ricardo tem ligação pessoal com Santos – seu pai trabalhou no porto. Ao contar a história da cidade litorânea, transformou Itororó numa fonte de inspiração – teria sido a partir dali, ao beber das suas águas, que Pelé conquistou o mundo.

Ricardo lembrou de figuras ilustres, como José Bonifácio, patriarca da Independência, interpretado pelo ator santista Oscar Magrini. Dona Domitila, a amante de d. Pedro, que ganharia o título de Marquesa de Santos, foi representada pela porta-bandeira Verônica Lima. O mestre-sala Daniel Werneck fez o papel do imperador.

Santos foi lembrada pela imigração de japoneses, italianos, espanhóis e alemães; pela cultura cafeeira, que impulsionou a cidade economicamente; e pelo porto, o mais importante do País; pelas belezas naturais e o surfe.

Pela contribuição ao esporte, Neymar e Pelé receberam homenagens especiais. Mas nenhum dos dois compareceu ao desfile. Pelé, por ordens médicas. “Ele mandou um vídeo, está andando com apoio de andador”, contou o patrono, Leandro Soares. Já Neymar não foi liberado pelo Barcelona, que jogou contra o Levante. A irmã dele, Rafaella, foi destaque em um dos carros.

O Santos mereceu várias menções. Os ritmistas liderados pelo mestre Thiago Diogo vestiam uniforme do clube. Uma enorme bola inflável pairou por sobre a bateria, que fez cinco paradinhas, e teve à frente a atriz Paloma Bernardi. Toda de dourado, ela representava o troféu Tereza Herrera. A torcida santista também ganhou uma ala.

Como sempre, a escola veio recheada de artistas: Susana Vieira, Monique Alfradique, Tayla Ayala, Ana Hickman e Deborah Secco estavam entre as famosas que desfilaram na escola.

Veterana na Marquês de Sapucaí, Susana Vieira alfinetou rainhas de bateria “mais valorizadas” que os músicos. “Escola de samba é feita de dois tipos de pessoas. Da comunidade e de quem vem tirar uma casquinha. Eu sou comunidade. Rainha tem que conhecer cada músico, entender a bateria. Não é para aparecer mais que a bateria”, afirmou.

Ela refutou a pecha de “escola dos artistas” que a Grande Rio ganhou. “Isso aqui é escola de comunidade. Desfilo há 18 anos, desde o grupo de acesso. Eu tenho orgulho de representar esse bairro carioca”, disse referindo-se a Duque de Caxias, na verdade, um município da Baixada Fluminense.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *