Últimas

Itália e Unesco criam força-tarefa para salvar monumentos

Itália e Unesco anunciaram nesta terça-feira a criação de uma “força-tarefa”, chamada os “capacetes azuis da cultura”, formada por 60 especialistas, para proteger e conservar o patrimônio cultural do planeta, inclusive em lugares afetados por conflitos.

O anúncio foi feito ao longo de uma cerimônia oficial da qual participaram os ministros italianos da Cultura, Defesa, Educação, além do comandante-general das Forças Armadas e a diretora-geral da Unesco, Irina Bokova.

A força especial, que por ora conta com 30 agentes especializados da polícia e 30 especialistas, entre arqueólogos, restauradores e especialistas em arte, será enviada para os lugares onde o patrimônio cultural corre risco, por conflitos, terremotos ou catástrofes naturais, explicaram fontes do ministério da Cultura italiano.

O acordo entre Itália e a Unesco foi alcançado no marco da coalizão mundial “Unidos pelo patrimônio”, aprovada em junho do ano passado.

No último 17 de outubro, 53 países votaram em Paris, sede da Unesco, a favor da iniciativa italiana.

A criação destes “capacetes azuis”, que intervirão com conhecimento e sem armas, responde à recente escalada de destruição e saqueamento sistemático de espaços culturais, assim como aos ataques contra símbolos da cultura, monumentos arqueológicos e templos de minorias religiosas.

“Temos a capacidade de intervir no coração de qualquer civilização. Proteger a cultura e os monumentos é uma arma importante para derrotar as ameaças terroristas”, garantiu a ministra da Defesa, Roberta Pinotti.

“Eles estão operacionais e prontos para funcionar quando a Unesco quiser”, disse o ministro da Cultura italiano, Dario Franceschini.

A Itália, entre os países com maior patrimônio histórico e artístico do mundo, possui um corpo de renome de policiais especializados no tráfico de obras de arte, que irão participar da “força-tarefa” especial.

Também participarão vários centros especializados em restauração e conservação de monumentos, assim como a prefeitura de Turim (norte), onde será criada uma escola de formação aberto a todos.

A destruição, em maio do ano passado, das antigas ruínas de Palmira, na Síria, por membros do grupo Estado Islâmico, chocou a comunidade internacional.

Templos, torres funerárias e o arco do triunfo da cidade milenar localizada no deserto, foram destruídos com explosivos pelos extremistas, que consideram santuários e estátuas símbolos de idolatria.

Bovoka reiterou em Roma que a destruição desses monumentos é considerado um crime de guerra.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *