Últimas

Paralisação de advertência fecha o Detran por três dias

Caso não haja contraproposta do governo, greve terá início na sexta-feira

 

Servidores do Detran realizam paralisação de advertência nos próximos dias 22, 23 e 24. Nesses três dias o órgão estará com as portas fechadas para o atendimento ao público. Segundo a diretoria do Sindicato dos Servidores Públicos em Atividades de Trânsito do Órgão Executivo Estadual de Trânsito de Alagoas (Sinsdal), a decisão foi tomada em assembleia realizada nesta semana. Caso não haja nenhuma apresentação de proposta por parte do Governo diante das reivindicações, na sexta-feira, dia 26, a categoria cruza os braços por tempo indeterminado.

“Se o governo sinalizar com alguma proposta ou houver abertura para o debate dos pontos de pauta a situação poderá ser revertida” destacou Roberto Martins, vice-presidente do Sinsdal.

A decisão de parar os serviços por tempo indeterminado foi tomada em assembleia com a presença de mais de 90% dos servidores efetivos do órgão. Na pauta também ficou acordado que, o Sindicato junto ao diretor do órgão irá definir quais os serviços essenciais que ficarão funcionando para atender os 30% que a legislação determina.

Infelizmente a expectativa por parte dos servidores não é das melhores. “Estamos em negociação há mais de um ano e até o momento não houve nenhuma contraproposta por parte do governo. Na última semana havia uma reunião agendada com o secretário chefe do Gabinete Civil, Fábio Farias, mas ele não estava presente para nos receber”, lamentou Martins.

Reivindicações

Cientes de que o momento econômico que o país e o estado atravessam não é dos melhores, o sindicalista ressalta que “a categoria não está pedindo aumento. Nossas reivindicações são a autonomia do órgão, a não privatização do Detran, a realização de concurso público e a correção das distorções que existem atualmente no Plano de Cargos e Carreiras (PCCs)”, reforçou Roberto Martins.

O concurso público para 150 vagas se faz necessário uma vez que dos 290 servidores efetivos do órgão cerca de 70 estão afastados, comentou o sindicalista destacando ainda que “além de proporcionar maior agilidade aos serviços com a chegada de novos trabalhadores, outro benefício para a população alagoana seria o retorno de 23 policiais militares que hoje se encontram no setor de vistoria para as ruas e assim fortalecer a segurança pública”.

“O que nós não queremos é prejudicar a sociedade já que o órgão executa alguns serviços emergenciais e de utilidade pública”, disse Roberto Martins.

 

 

Por Cadaminuto

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *