Últimas

Personalidades lamentam morte de Eco: "Nada nos resta além dos nomes"

A morte do escritor italiano Umberto Eco nesta sexta-feira (19) levou autores, jornalistas e outras personalidades a prestarem homenagens nas redes sociais.

Autor de “Gomorra”, livro reportagem sobre a máfia italiana, o jornalista Roberto Saviano citou a frase em latim que encerra o livro “O Nome da Rosa”, um dos mais conhecidos de Eco. “Nada nos resta além dos nomes. Adeus professor”, escreveu Saviano no Twitter.

Um dos semiólogos e intelectuais europeus mais importantes deste século, Eco também escreveu obras como “O Pêndulo de Foucault” (1988) e “O Cemitério de Praga” (2010), além de ensaios “O Problema Estético” (1956), “O Sinal” (1973), “Tratado Geral de Semiótica” (1975) e “Apocalípticos e Integrados” (1964), referência nos cursos de comunicação em todo o mundo.

Crítico do papel das novas tecnologias no processo de disseminação de informação, Eco disse, em julho do ano passado, que as redes sociais dão o direito à palavra a uma “legião de imbecis” que antes falavam apenas “em um bar e depois de uma taça de vinho, sem prejudicar a coletividade”. “Normalmente, eles [os imbecis] eram imediatamente calados, mas agora eles têm o mesmo direito à palavra de um Prêmio Nobel”, disse o intelectual durante um evento em que recebeu o título de doutor honoris causa em comunicação e cultura na Universidade de Turim, norte da Itália.

Também no Twitter, o canadense Guy Gavriel Kay exaltou as qualidades de Eco, dizendo que ele era “um múlti talentoso, genuinamente interessante (e interessado) ser humano”.

O jornalista Jorge Pontual, correspondente da TV Globo em Nova York, também prestou homenagem ao autor por meio do Twitter, citando frases de Eco.

“Nascemos sempre no signo errado e estar no mundo de modo digno quer dizer corrigir a cada dia o próprio horóscopo”, Umberto Eco

O britânico Warren Ellis, famoso escritor de histórias em quadrinhos, também usou seu perfil no Twitter para lamentar a morte do autor.

“Devastado. Umberto Eco, o gigante, que mudou meu mundo mais de uma vez, morreu”, escreveu.

Os políticos também prestaram suas homenagens ao autor italiano. Mariano Rajoy, chefe de governo da Espanha, e Rafael Tovar, secretário mexicano de Cultura, usaram as redes sociais para lamentar a morte de Eco.

“Minhas condolências à família e amigos de Umberto Eco. Sua obra permanecerá na nossa memória, descanse em paz.”, escreveu Rajoy.

“Sinto profundamente o falecimento de Umberto Eco, narrador, filósofo e educador universal”, lamentou Tovar.

Nomina nuda tenemus. Addio,

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professore

— Roberto Saviano (@robertosaviano) 20 fevereiro 2016

Oh, damn. Umberto Eco was a multi-talented, genuinely interesting (and interested) human being. Wrote widely, and well. He’ll be missed.

— Guy Gavriel Kay (@guygavrielkay) 20 fevereiro 2016

“O herói só é herói por engano, seu sonho era ser um velhaco honesto”, Umberto

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Eco

— Jorge Pontual (@JorgePontual) 20 fevereiro 2016

Devastated. Umberto Eco, the giant, who changed my world more than once, has died. https://t.co/

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

oQgiRNYSjl

— Warren Ellis (@warrenellis) 20 fevereiro 2016

Mi sentido pésame a la familia y amigos de Umberto Eco. Su obra permanecerá en nuestra memoria, descanse en paz.

 

 

 

 

MR

— Mariano Rajoy Brey (@marianorajoy) 20 fevereiro 2016

Siento profundamente el fallecimiento de Umberto Eco, narrador, filósofo y educador universal.

— Rafael Tovar (@rtovarydeteresa) 20 fevereiro 2016

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *