Últimas

Presidente do Instituto Lula diz que decisão do CNMP foi 'acertada'

O presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, disse que foi “acertada” a decisão do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) de adiar o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de sua mulher, Marisa Letícia, marcado para esta quarta-feira. “O promotor fez um prejulgamento, estava sendo parcial. Isso não é como deve ser feita a Justiça no Brasil”, afirmou ao Broadcast Político, serviço em tempo real da Agência Estado. “O Ministério Público é uma instituição séria. Tem que apurar e esclarecer a verdade.”

Okamotto se referiu ao fato de que, em entrevista à revista Veja o promotor de Justiça Cassio Roberto Conserino afirmou que denunciaria Lula e sua esposa por ocultação de propriedade, antes de se pronunciar oficialmente no processo. O Ministério Público de São Paulo abriu inquérito para investigar suposta propriedade de familiares do petista de um tríplex no Guarujá, no litoral paulista.

Ele negou que o pedido para adiar o depoimento, feito pelo deputado Paulo Teixeira (PT-SP) e aceito pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), possa ser interpretado como uma negativa de Lula a dar esclarecimentos sobre o caso. “Você só explica para quem quer ouvir a explicação, não para quem quer prejulgar ou já tem uma verdade preestabelecida”, afirmou.

O presidente do Instituto Lula também comentou a reportagem publicada nesta quarta-feira pela Folha de S. Paulo, que diz que o ex-sindicalista José Zunga Alves de Lima teria articulado, dentro da Oi, a instalação de uma antena de telefonia celular perto do sítio em Atibaia frequentado pela família de Lula. “O presidente Lula nem tem telefone celular. Ali perto tem outras propriedades e condomínios”, disse Okamotto.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *