Reality gastronômico já mostrou que atrai público e anunciantes, o “BBQ Brasil”, tem tudo pra dar certo.

BBQ_BRASIL-Logo

Logo do novo reality gastronômico do SBT

Estreia no SBT neste sábado (13/02), às 21h30, com apresentação de Ticiana Villas Boas e com a exigente dupla de jurados formada por Carlos Bertolazzi e Rogério deBetti o novo reality culinário da emissora: “BBQ Brasil – Churrasco na Brasa”, que tem como objetivo encontrar o melhor churrasqueiro amador do País.

Participantes BBQ Brasil- geral

Participantes da 1ª Temporada do “BBQ Brasil”

O projeto é baseado em um formato internacional e sua produção no Brasil já teve suas cotas de patrocínio preenchidas, são elas: Maturatta Friboi, Seara e Extra, além das cotas de apoio da Nívea, Hellmann’s e Mania de Churrasco. Com duração de 14 semanas, os competidores que quiserem permanecer na disputa terão que cozinhar para multidões e fazer criações ousadas na brasa ou apresentar técnicas clássicas do carvão para surpreender os jurados.

O “Bastidores da TV” esteve presente na coletiva de imprensa do programa, realizada no dia 03/02 e junto ao nosso material, entrevistamos a diretora do reality: Adriana Cechetti e o jurado: Carlos Bertolazzi.

Acompanhe o bate papo:

Adriana, você já esteve presente em projetos como: “Supernanny” e “SOS Casamento”, programas com estilo bem diferentes dos quais você atua hoje. Como foi essa transição de conteúdo?

Resposta:

“Há exatos 10 anos trabalho na linha de realities shows. Comecei na produção executiva e criação de conteúdo e só depois migrei pra direção. Depois de trabalhar em vários formatos: SuperNanny, Esquadrão do Amor, 10 Anos Mais Jovem, Esquadrão da Moda e S.O.S. Casamento (formato criado por mim e pelo diretor Ricardo Perez) tive a oportunidade de, em 2015, dirigir e implantar o Bake OFF Brasil. Embora o tema da culinária seja mais novo na minha carreira, ter tido experiência em reality fez com que essa transição fosse mais sutil, sem deixar de ser desafiadora e gratificante. Sem contar, que eu sou fã de programas e realities de comida, isso ajudou bastante! Depois do Bake OFF, vieram a terceira temporada do Hell’s Kitchen e, agora, o BBQ Brasil – Churrasco na Brasa”.

Depois da estreia do “Bake Off Brasil – Mãos na Massa”, “Hell’s Kitchen – Cozinha Sob Pressão”, no próximo sábado (13/02), teremos o lançamento da nova aposta do SBT: “BBQ Brasil – Churrasco na Brasa”. Qual será o estilo de direção adotado por você? Mais leve como o “Bake Off” ou mais bravio como “Hell’s Kitchen”?

Resposta:

“Não tem como fazer um programa sobre churrasco sem ser leve e agradável. O churrasco une as pessoas, inclusive os participantes do programa! Mesmo estando reunidos com o mesmo objetivo de ganhar o reality, o clima nas gravações é de companheirismo e troca de experiências. Como se estivéssemos num churrasco no final de semana na casa de um amigo!”.

Equipe-BBQ-Brasil

Ticiana Villas Boas, Carlos Bertolazzi e Rogério deBetti.

(Pergunta internauta)

Fábio – Minas Gerais

Culinária na TV sempre foi sinônimo de audiência, mas antes isso era coisa de programa voltado, principalmente, para o público feminino e em horários restritos. De repente houve um estouro e os programas culinários passaram a ganhar espaço, render boa audiência e muito faturamento. Adriana, há que você liga esse crescimento acentuado no número de formatos do gênero, e acredita que eles vieram para ficar?

Resposta:

“Eu acho que a TV vive ciclos. Quando os realities de confinamento estrearam, por exemplo, ninguém queria assistir a outro gênero. A culinária tem sido tema de programas há alguns anos. O Hell’s Kitchen é um formato que está no ar há mais de 12 anos. Cada vez mais sinto que as pessoas se interessam em aprender quando assistem a competições de comida. E como a cozinha faz parte do nosso dia a dia, acho que esses formatos têm vida longa sim!”.

Adriana-Cechetti e equipe BBQ

Adriana Cechetti e equipe do “BBQ Brasil – Churrasco na Brasa”

O formato do “BBQ Champ” é oriundo da Inglaterra, aposta do canal TVI do mesmo país. Como foi a aquisição do formato para produção no Brasil?

Resposta:

“Na Inglaterra, só foram produzidos 5 episódios. Mas já foi suficiente para ver o potencial do programa por lá. O Brasil será o segundo país a produzir este formato. Um privilégio e uma grande responsabilidade também. Como faremos 14 episódios, acredito que vamos contribuir bastante com o formato. Sem contar que será o primeiro reality de churrasco feito no Brasil”.

Teaser da versão que deu origem ao BBQ Brasil

Com o sucesso da faixa horária voltado exclusivamente aos realitys culinários aos sábados no SBT, há a possibilidade de novos formatos estrangeiros ganharem produção no Brasil? Já tem estudos acerca disso?

Resposta:

“O SBT sempre está à procura de novos programas que possam agradar e divertir o público. Sempre tem espaço pra mais novidades, não só nessa faixa!”.

A internet tem papel fundamental na propagação do conteúdo dos programas de TV, prova disso, são os próprios “Bake Off” e “Hell’s Kitchen”, que estão sempre nos Trending Topics do Twitter. Seguindo nessa linha de raciocínio, há intenção de manter essa interação do internauta com o BBQ?

Resposta:

“Sem dúvida a internet tem um papel fundamental! Como diretora, assisto ao programa acompanhando as redes sociais. É o melhor termômetro pra saber o que funciona e o que não funciona com o público. No BBQ Brasil, vamos estimular ainda mais essa interatividade e teremos sorteios de prêmios para quem interagir com o programa! Aliás, todo mundo já pode começar a usar #BBQBrasil .Pra acompanhar as novidades do programa é só seguir: @sbtbbqbrasil”.

O diretor Mauro Mendonça Filho, em entrevista recente destacou que para se ter sucesso na carreira de diretor é preciso mesclar: hierarquia, dedicação e companheirismo com sua equipe. Você concorda? E, como é o seu estilo de dirigir?

Resposta:

“Trabalhar em equipe é fundamental pra conseguir bons resultados em qualquer área. Na TV não é diferente! Todos esses realities envolvem muitos profissionais, tenho trabalhado com cerca de 120 pessoas no set de gravação. A grande dificuldade de fazer um reality é que, como diz o próprio nome, você sempre está tem que lidar com a realidade e ter que mudar os planos na última hora. Por isso, acho que tomar decisões rápidas e certeiras é fundamental para comandar um programa. Fora isso, tento manter a tranquilidade pra lidar com as pessoas, mesmo nos momentos de muita tensão”.

(Pergunta internauta)

Marcelo – Porto Alegre

Adriana, me chamo Marcelo Freitas e sou estudante de Produção Audiovisual. Resolvi abusar um pouco e montar um combo de perguntas, a fim de aprender um pouco mais sobre a profissão e tirar proveito da sua experiência no assunto. Assisti a um congresso nacional de produção audiovisual, onde um dos entrevistados foi Ricardo Perez. Ele deu ótimas referências sobre você e falou da importância do projeto que vocês criaram juntos, o “SOS Casamento”, na vida profissional dele. Eu gostaria de saber como foi a experiência de ter participado da criação deste projeto e se, caso vocês não tivessem cedido os direitos ao SBT, teria chances de retomá-lo em uma produção independente? Uma outra questão: como você enxerga o mercado da produção independente daqui para frente, em relação à parceria com grandes emissoras e também com a TV paga, já que, tornou-se obrigatória a produção de conteúdo para esse meio? Você pensa ser mais compensador um jovem, entrando no mercado de trabalho, buscar oportunidades nas produtoras ou nas emissoras de TV, atualmente?

Resposta:

“Olá, Marcelo! Sem dúvidas, o S.O.S Casamento é muito importante na minha trajetória. Além de ser uma parceria com o meu grande companheiro de trabalho, (eu e o Ricardo Perez nos conhecemos no primeiro dia de aula da faculdade!) o projeto nos mostrou que estávamos no caminho certo em apostar em criação de formatos. Sempre fui apaixonada por televisão, quando era adolescente meu passatempo predileto era participar do auditório dos programas do SBT (Programa Livre, Jô Soares etc.) pra entender como era feito um programa. Mais de 20 anos depois, estou eu aqui do outro lado. Hoje, a produção independente está ganhando cada vez mais mercado. Todos os realities de culinária que tenho dirigido são terceirizados. Estou no SBT há 12 anos. Trabalhar em uma emissora é gratificante porque você acompanha muitos projetos ao mesmo tempo. Vê a grandiosidade de um canal de TV e entende melhor tudo que é preciso pra se colocar um programa no ar. Já numa produtora, você, provavelmente, terá mais espaço de trabalho por se tratar de uma empresa menor e tem a chance de produzir para diversos canais ao mesmo tempo. Mas, na verdade, acho que o caminho não importa. O importante é conseguir trabalhar com aquilo que você acredita e gosta! Boa sorte!”.

Meu amigo e colunista do site, Max Felipe, conversou com o Carlos Bertolazzi durante a coletiva de imprensa. Acompanhe o bate papo: Qual a sua expectativa com este formato de programa na TV aberta?

Resposta:

“Eu acho que tem tudo pra dar certo, porque reality gastronômico já mostrou que atrai o público, atrai anunciantes, e mais do que tudo churrasco tem um apelo… Nos não estamos escolhendo o melhor cozinheiro amador, nem o melhor cozinheiro profissional, nem o melhor confeiteiro, estamos falando do melhor churrasqueiro e acho que isso mexe com o brio do brasileiro”.

carlos e adriana

Otávio Mesquita, Fernando Pelegio, Adriana Cechetti e Carlos Bertolazzi no cenário do “Hell’s Kitchen Brasil”

Você já falou que vai ser mais calmo nesse programa, mas fala para o público de casa, vai ser ser assim mesmo?

Resposta:

“Não é que vou ser mais calmo, é que se não tiver motivo para não me exaltar… Eu não vou me exaltar gratuitamente. Então é assim: diferente do programa “Hell’s Kitchen” onde se tem, durante o serviço, a cozinha funcionando e aquilo tem que ser entregue, as pessoas batendo a cabeça para entregar um resultado bom, aqui é diferente. Eles trabalham individualmente, ou em grupo até, mas não tem a minha exigência enquanto dono do restaurante, eles tem sim, a exigência da equipe e se forem mal, terão que arcar com isso e provavelmente terá um eliminado. Estou lá mais pra julgar, claro, fazer meus comentários (as vezes desagradáveis, quando necessário), mas não é que assim: “Aí Bertolazzi, aqui vai ser mais calmo?” – Bertolazzi vai ser sempre o Bertolazzi, seja no “Hell’s Kitchen” ou no “Barbecue Brasil”. A diferença é que lá não tem motivo para eu sair gritando, caso contrário serei o “louco” ali do meio”.

IMG-20160204-WA0009

Max Felipe, colunista do “Bastidores da TV” e Carlos Bertolazzi durante coletiva do “Barbacue Brasil

Quem teve a ideia de juntar você e a Ticiana Villas Boas?

Resposta:

“Eu acredito que tenha sido o Fernando Pelegio, mas você pode confirmar perguntando diretamente a ele. Cada um tem o seu programa, ela está com o “Bake Off Brasil”, enquanto estou com o “Hell’s Kitchen”, então nós dois estarmos juntos em um programa seria uma maneira da gente… Como são os três programas que irão ficar na grade desse ano, a maneira de interagirmos melhor com o nosso público”. 


Meus agradecimentos ao Carlos Bertolazzi e Adriana Cechetti, e também ao meus amigos: Fábio Melo, Marcelo Freitas e Max Felipe.

Encontre no Twitter: @Hiago__Junior

Contate-me pelo e-mail: hiago@bastidoresdatv.com.br

Até a próxima!

#CâmbioDesligo


Fonte: Bastidores da TV

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *