Últimas

Salgueiro exalta a malandragem para soltar o grito de campeão ainda preso

Com o enredo enredo “A Ópera dos Malandros”, desenvolvido pelos carnavalescos Renato e Márcia Lage, o Salgueiro aterrissa na Sapucaí na noite desta segunda-feira (8). Segunda a entrar na avenida, a escola da Tijuca vem com seis carros, um tripé e 31 alas. Depois de dois vice-campeonatos seguidos, o  Salgueiro praticamente assumiu o favoritismo em 2016, principalmente depois de apresentar seu samba, que caiu no gosto do povo e é considerado um dos melhores do ano.

Desfiles da segunda noite do Grupo Especial do Rio

A escola mostra o diálogo entre a tradição salgueirense e a carioquice, juntamente com aspectos da cultura negra. “O malandro é uma figura muito cara à nossa comunidade. A aceitação ao enredo foi imediata”, afirma Gustavo Melo, diretor cultural do Salgueiro e integrante da equipe que elaborou o enredo.

Saiba o que o Salgueiro preparou para apresentar na Sapucaí:

Primeiro setor
Intitulado “O Sonho do malandro”, o primeiro setor faz gancho com a canção “A volta do malandro”, de Chico Buarque. O Salgueiro traz uma ópera, em que o povo de rua se apresenta e a plateia é a elite do Theatro Municipal. No carro abre-alas, há referências muito claras à “Ópera do Malandro”.

Segundo setor
Neste setor, as óperas clássicas são relidas através da figura do malandro carioca, que incorpora espiritualmente personagens de obras clássicas como “Ópera dos Mendigos”,”Aída” e “Madame Butterfly”

Terceiro setor
Com o título “Pra se viver do amor”, traz um momento da “Ópera do Malandro” em que o personagem principal sai do sonho e cai na realidade. Os grandes amores do malandro surgem nesse setor. A bateria vem de Geni e as passistas serão vedetes. Um gigantesco cabaré é o carro alegórico desse setor.

Quarto setor
O malandro jogador é exaltado através de dados, cartas e roletas. Nas alas, surgirão o carteado, a briga de galo , a corrida de cavalo e a sinuca. A Lapa boêmia dos anos 40 estará presente na alegoria.

Quinto setor
É a filosofia da malandragem, em um setor tido como o mais bem humorado do desfile do Salgueiro. Inspirado nos Três Malandros (Dicró, Bezerra da Silva e Moreira da Silva), trará sucessos dos três sambistas retratados nas alas. Na alegoria, uma escultura gigantesca do Pensador, de Rodin, vestido de malandro.

Sexto setor
É o setor espiritual do enredo, com louvação às entidades, como Zé Pelintra. Todo em tons brancos, o trecho final do desfile deixa uma mensagem de paz. 

Veja abaixo os horários dos desfiles

21h30 – Vila Isabel

Entre 22h35 e 22h52 – Salgueiro

Entre 23h40 e 00h14 – São Clemente

Entre 00h45 e 01h36 – Portela

Entre 01h50 e 02h58 – Imperatriz Leopoldinense

Entre 02h55 e 04h20 – Mangueira

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *