Tribuna SBTpedia: 'BBQ Brasil – Churrasco na Brasa': Análise da estreia, por Gabriel Reis

‘BBQ Brasil – Churrasco na Brasa’: Análise da estreia

Por Gabriel Reis* (gabrielviannareis@gmail.com)

Apostando na fixação de realities gastronômicos na faixa das 21h30 de sábado, o SBT estreou no último dia 13, “BBQ Brasil – Churrasco na Brasa”.

A versão brasileira do reality inglês “BBQ Champ”, começou, em muitos aspectos, lembrando o “Bake Off Brasil – Mão na Massa”. Produzido pela Formata e com direção de Adriana Cechetti, o reality apostou em um cenário bucólico para a realização do reality. Todo o programa é feito em externas ou no ambiente da chácara/fazenda, onde cada competidor tem a sua própria churrasqueira.

O programa começou apresentando as regras e os jurados (Carlos Bertolazzi e Rogério de Betti) através de um VT fechado. A estratégia foi boa. A parte ruim foi quando esse mesmo processo foi praticamente repetido por Ticiana Vilas Boas, quando júri e participantes ficaram frente a frente. A única informação nova dada no momento foram as premiações: 1 tonelada de carne (Seara e Muturatta) e 24 mil reais em compras nos supermercados Extra, algo que poderia ter sido abordado no VT inicial.

A competição se dará em três etapas: prova individual, prova coletiva e a prova de fogo, que é eliminatória e é disputada por aqueles com pior desempenho nas duas primeiras. A primeira prova teve tema livre para os candidatos, natural para a estreia do programa. A única exigência era que a receita levasse carne e algum acompanhamento feito na churrasqueira. Por se tratar da estreia, à medida que os candidatos cozinhavam, pequenos vídeos sobre a trajetória de cada um, eram inseridos. A iniciativa foi boa, mas acabou comprometendo, em parte, o andamento das receitas e da competição em si. Nas provas seguintes, com os candidatos já apresentados, o processo não se repetiu e o foco ficou na preparação da comida e no júri.

Ficou claro que é a produção é bem cuidada, assim como ocorreu em “Bake off Brasil”; foi bem vendida (todas as seis cotas foram comercializadas antes da estreia); tem uma diretora experiente (Adriana Cechetti); e apostou em dois nomes já conhecidos do público do horário (Bertolazzi e Ticiana Villas Boas). No entanto, o excesso de realities gastronômicos pode prejudicar o programa. O “Cozinha Sob Pressão”, por exemplo, marcou apenas 4,7 pontos no episódio final da terceira temporada. Em 18 julho, na final da segunda temporada, a audiência foi de 7,2; uma queda de quase 35%. Além desse ponto, ainda não houve algum grande personagem de destaque no programa (como a Jiang, no “Masterchef” ou o próprio Bertolazzi, no “Cozinha Sob Pressão”) e a interatividade com a Twitter foi pouco ativada. Não tivemos a hashtag fixa no canto da tela ou tweets de telespectadores no vídeo.

“BBQ Brasil – Churrasco na Brasa” é um bom formato e bem produzido, mas dentre a enorme quantidade de realities gastronômicos atuais, pode não conseguir se destacar, com apenas o que foi mostrado no último dia 13.

*É graduando em Comunicação Social (Rádio e TV) pela Escola de Comunicação da UFRJ. Teve passagens pela TV Boas Novas e pelos canais Esporte Interativo, onde foi coordenador de programação. Atualmente escreve artigos de opinião às segundas-feiras no “SBTpedia”

Fonte: SBTpedia (www.sbtpedia.com.br)

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *