Últimas

5 dicas para se tornar mestre no jogo de basquete do Facebook Messenger

Há alguns o Facebook lançou um jogo de basquete dentro do Messenger. Desde então, surgiram várias dicas sobre como melhorar a pontuação no joguinho, incluindo formas de trapacear descaradamente. Como nem todas as dicas realmente funcionam, o Olhar Digital resolveu dar uma forcinha a quem deseja ficar à frente dos amigos nas disputas.

Em primeiro lugar, evite jogar deitado, porque mesmo que o jogo funcione até de ponta cabeça nosso cérebro tende a acompanhar a naturalidade da gravidade e isso prejudica a partida. Além disso, mantenha a calma e jogue sem se desesperar; como ocorria no Flappy Bird, o basquete do Messenger se aproveita da nossa adrenalina para nos manter viciados e, a cada vez que uma pontuação mais alta é alcançada, tendemos a voltar rapidamente ao jogo na esperança de que continuaremos com a mesma habilidade – o que nem sempre acontece.

Fora isso, existem basicamente duas formas de melhorar seu desempenho no jogo, e a primeira delas é a dica que mais apareceu pela rede: usar uma régua. Na verdade, objetos mais grossos, porém igualmente retos, funcionam melhor, mas a régua dá conta do recado, contanto que o smartphone esteja em uma superfície que o impeça de balançar.

Coloque o aparelho sobre uma mesa e o mantenha fixo – no caso de um modelo com carcaça curva, tente prendê-lo com pedaços de massinha. Então posicione a régua na lateral da bola em direção ao cesto e faça os arremessos com o dedo indicador. Isso funciona até mesmo quando a tabela está em movimento.

A outra dica é: mantenha o dedo na tela pelo máximo de tempo possível, soltando a bola apenas quando o dedo estiver próximo do cesto. Jogar com o dedão força a pessoa a fazer movimentos rápidos, mas com o indicador a história é outra, sendo que dá para fazer os arremessos com calma.

E você, tem alguma dica interessante que ajude a aumentar a pontuação? Compartilhe nos comentários abaixo.

Fonte: Olhar Digital
Matéria originalmente postada no site olhardigital.uol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *