Últimas

Adaptações de games para o cinema tentam conquistar o público das telonas

"WarCraft", o longa, é uma aventura épica que promete redimir os filmes inspirados em games com uma nova linha narrativa. Foto: Reprodução da internet
“WarCraft”, o longa, é uma aventura épica que promete redimir os filmes inspirados em games com uma nova linha narrativa. Foto: Reprodução da internet

Maldição pode parecer uma palavra muito pesada, mas é o termo mais usado quando se fala sobre o fracasso das adaptações de games para o cinema. De fato, a reputação dos filmes que surgiram a partir de jogos não é nada boa. Super Mario, Mortal Kombat e outras tantas franquias famosas desse universo foram fiascos de crítica e arrecadação. Lideradas por WarCraft e Assassin’s creed, uma série de novas produções (com estreia em 2016 e nos próximos anos) tenta reverter o quadro negativo e, enfim, emplacar sucessos na sétima arte.

Uma das principais apostas e a primeira grande produção a ser lançada, WarCraft — O primeiro encontro de dois mundos chega aos cinemas brasileiros em 9 de junho de 2016. Baseado na mitologia do jogo on-line World of WarCraft, o longa, é uma aventura épica que narra os conflitos gerados pelo contato entre as criaturas orcs e os humanos. O filme é dirigido por Duncan Jones, assumidamente gamer e aficcionado pelo mundo dos jogos.

A direção de Jones é um dos motivos para acreditar que WarCraft pode abrir portas para novas produções do gênero. “Um dos principais motivos para o fracasso dos filmes anteriores é que produção e direção eram feitas, em geral, por pessoas que não entendem nada sobre o mundo dos games”, explica o relações públicas Thiago Aguiar, autor de uma monografia sobre o mercado de games.

Aguiar, que aproveitou a fixação pelo tema para se aprofundar nas pesquisas sobre as características da produção e distribuição de jogos, acredita que boa parte da dificuldade em transportar uma linguagem para outra esteja, de fato, na falta de conhecimento sobre especificidades do universo por parte de quem comandou as tentativas anteriores.

O problema não é exclusivo dos games. As histórias em quadrinhos sofreram do mesmo mal antes de emplacar blockbusters baseados nos super-heróis. “Esse mesmo estigma costumava pairar sobre filmes de super-heróis. Levou uma geração inteira de diretores e roteiristas que realmente cresceram com quadrinhos para dar a essas adaptações o respeito e o amor que eles mereciam”, afirmou o diretor de WarCraft em uma entrevista à publicação Entertainment Weekly sobre a produção do longa. Jones disse ainda que espera colocar fim à “maldição”.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *