Últimas

Artistas pedem democracia no Prêmio Shell de Teatro; veja os ganhadores

Foi entregue, na noite desta terça-feira (22), a 28ª edição do Prêmio Shell de Teatro de São Paulo, no Espaço Villa Vérico, na Vila Olímpia. Aplaudido de pé, Tarcísio Meira foi eleito melhor ator por “O Camareiro”.

“Nos meus 80 anos ainda não aprendi a não ficar nervoso, a não perder o fôlego. Estive 20 anos afastado dos palcos, mas eu e meus colegas nos esforçamos para fazer um teatro popular na televisão. Acho que a novela pode ser um teatro popular da melhor qualidade”, discursou o ator de 80 anos.

Maria Luísa Mendonça levou melhor atriz por “Um Bonde Chamado Desejo” –ela já havia conquistado o APCA na semana passada.

“O teatro é o encontro. É estar vivo em vida. E é de gentileza que a gente está precisando mesmo”, afirmou, emocionada.

O melhor diretor foi Rafael Gomes, por “Um Bonde Chamado Desejo”, que dedicou ao “parceiro na vida” Daniel Ribeiro e a Maria Alice Vergueiro, que o lançou como diretor no vídeo “Tapa na Pantera”. A apresentação do evento ficou a cargo da atriz Laila Garin, que anunciou todos os ganhadores

Antunes Filho recebeu homenagem por sua trajetória. “Eu sou muito chato”, brincou. “A Glória Menezes que está aí com o Tarcísio começou comigo”. Antunes agradeceu ao Sesc São Paulo por possibilitar que ele fizesse 35 anos de pesquisa teatral. “Hoje eu sei um pouquinho de ator”, afirmou. Foi aplaudido de pé.

Nos discursos foi recorrente o uso de palavras como “democracia” e “diálogo” para o Brasil, sempre com muito aplauso dos presentes. Vencedor de melhor música ao lado de Babaya por “A Tempestade”, Marco França bradou: “Viva a tempestade, viva a calmaria e viva a democracia”.

 Veja a lista completa dos ganhadores:

Autor:
Vinicius Calderoni por “Ãrrã”

Diretor:
Rafael Gomes por “Um Bonde Chamado Desejo”

Ator:
Tarcísio Meira por “O camareiro”

Atriz:
Maria Luisa Mendonça por “Um bonde chamado desejo”

Cenário:
André Cortez por “Um Bonde Chamado Desejo”

Figurino:
Beth Filipecki e Renaldo Machado por “O Camareiro”

Iluminação:
Wagner Pinto por “A máquina Tchekhov”

Música:
Babaya e Marco França por “A tempestade”

Inovação:
Núcleo de Dramaturgia do Sesi-SP

Homenagem:
Antunes Filho pela construção de um teatro transformador e por seu papel na formação de profissionais do teatro.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *