Últimas

Cazaques se preparam para escolher novo parlamento no domingo

Astana, 19 mar (EFE).- Cerca de dez milhões de eleitores foram chamados a votar no Cazaquistão para as eleições legislativas antecipadas que serão realizadas no domingo, nas quais espera-se que o Nur Otan, o partido do presidente Nursultan Nazabayev, mantenha sua arrasadora maioria no parlamento.

Estão em jogo 98 das 107 cadeiras que constituem a câmara Baixa do parlamento cazaque (Majilis) que serão ocupadas por candidatos escolhidos por sufrágio universal para um mandato de cinco anos.

Os nove assentos restantes estão reservados para a Assembleia do Povo do Cazaquistão, um organismo constitucional composto por representantes dos mais de 100 grupos étnicos da nação.

No domingo, os eleitores irão às urnas para escolher também os órgãos de governo locais (Maslikhats).

Nazarbayev, que ganhou com uma enorme maioria as eleições presidenciais antecipadas realizadas há 11 meses, estabeleceu em 20 de março como data para o próximo pleito, uma semana depois que a ideia de dissolver o parlamento e convocar novas eleições antecipadas foi votada pelos legisladores do Majilis em 13 de janeiro.

A decisão foi tomada com base na difícil situação econômica que atravessa o país centro-asiático rico em petróleo, que foi duramente assolado pela queda dos preços do petróleo no mercado internacional.

Seis partidos apresentaram um total de 234 candidatos aprovados pela Comissão Eleitoral Central.

Além do partido do governo Nur Otan, o Partido Democrático Ak Zhol do Cazaquistão, o Partido Comunista do Povo do Cazaquistão (CPPK, sigla em inglês) e outros três partidos de menor importância: o Partido Social-Democrata Auyl, o Partido Social-Democrata Nacional (NSDP, sigla em inglês) e o Partido Birlik (Unidade) estão concorrendo por cadeiras na câmara Baixa do parlamento cazaque.

As últimas eleições legislativas no Cazaquistão ocorreram em janeiro de 2012. O Ak Zhol e o CPPK foram os únicos partidos, além do partido do governo Nur Otan, que passaram o mínimo de 7% dos votos requerido para conseguir cadeiras no parlamento.

O partido liberal Ak Zhol, liderado por Azat Peruashev, buscará aumentar as oito cadeiras que tem atualmente com um programa eleitoral centrado em reformas de mercado e na privatização de empresas, medidas similares àquelas que a administração de Nazarbayev já pôs em andamento.

O Partido Comunista do Povo do Cazaquistão, que conta atualmente com sete cadeiras no parlamento, se centra em discurso marxista-leninista que é retirado da cultura ocidental, especialmente do cinema e do fast-food, segundo o programa eleitoral do partido.

Durante seu discurso no congresso de Nur Otan em janeiro, Nazarbayev disse que o partido apostará por aumentar a competitividade do setor nacional do gás e do petróleo através da exploração ativa, da liberalização do mercado e da diversificação do transporte a destinos de todo o mundo.

Fazendo referência ao programa eleitoral do partido, Nazarbayev disse que Nur Otan tem a intenção de reforçar suas relações com a Rússia, China, Estados Unidos, União Europeia e Comunidade dos Estados Independentes como parte da política externa multilateral que é realizada pelo governo.

O partido da oposição mais contrário ao governo, o NSDP, e os outros dois partidos minoritários têm poucas opções de conseguir o umbral mínimo requerido de 7%, dada a popularidade do presidente Nazarbayev, que liderou o crescimento econômico sustentado e a estabilidade no Cazaquistão desde a independência da antiga república soviética em 1991.

Mais de 800 observadores internacionais e 10 mil locais supervisionarão o pleito para garantir eleições justas nos 9.840 colégios eleitorais distribuídos pelo nono maior país do mundo em extensão.

Em reunião que marcou o início da missão de observação no Cazaquistão do Escritório de Instituições Democráticas e Direitos Humanos da OSCE, o ministro de exteriores cazaque Erlan Idrissov disse ao chefe da missão Boris Frlec que Astana fará o possível para que sejam eleições justas.

“Damos especial importância ao modo de que as próximas eleições parlamentares sejam realizadas e temos a intenção de assegurar 100% da confiança pública através da organização das eleições de acordo com os mais altos padrões democráticos”, disse Idrissov.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *