Últimas

Cidade iraquiana enterra seus mortos após atentado do EI ao final de partida de futebol

Dezessete pessoas mortas são meninos com idades entre 10 e 16 anos. Foto: Haidar Hamdani/AFP
Dezessete pessoas mortas são meninos com idades entre 10 e 16 anos. Foto: Haidar Hamdani/AFP

A cidade de Al-Asriya, ao sul de Bagdá, enterrou seus mortos neste sábado, um dia após o ataque suicida reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI) que fez 32 mortos, em sua maioria menores de idade, ao final de uma partida de futebol.

O homem-bomba, provavelmente um adolescente segundo uma foto divulgada pelo EI, fez-se explodir no meio da multidão durante a entrega das medalhas.

“Há 32 mortos e 84 feridos, incluindo 12 em estado crítico”, informou à AFP um funcionário do departamento de saúde da província de Babilônia.

“Dezessete pessoas mortas são meninos com idades entre 10 e 16 anos”, acrescentou.

Al-Asriya está localizada perto da cidade de Iskandariyah, cerca de 40 km ao sul da capital iraquiana.

Um vídeo postado nas redes sociais mostra um homem falando diante de uma mesa coberta de troféus e medalhas e chamando o nome de um jogador antes de uma enorme explosão.

“O homem-bomba se infiltrou no meio da multidão para se aproximar do centro do estádio e se explodiu no momento em que o prefeito da localidade entregava as medalhas aos jogadores”, relatou à AFP Ali Nashmi, uma testemunha de 18 anos.

O prefeito da localidade, Ahmed Shaker, foi morto assim como um dos seus guarda-costas e ao menos cinco membros das forças de segurança.

Fotos postadas nas redes sociais mostram as traves do gol danificadas e manchadas de sangue.

O departamento de Estado americano apresentou suas condolências às famílias das vítimas, assim como o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, durante uma visita à Bagdá.

“Eu gostaria de aproveitar esta oportunidade para expressar as minhas mais profundas condolências ao povo e ao governo do Iraque, e especialmente às famílias atingidas pelos ataques terroristas de ontem”, disse Ban Ki-moon aos repórteres.

A Confederação Asiática de Futebol (CAF) também emitiu uma declaração condenando o ataque.

“O futebol é uma força poderosa e nosso jogo sempre teve o poder de unir, mesmo durante conflitos em todo o mundo”, disse a CAF.

“Utilizar estádios de futebol e de esportes para a violência é um ato covarde, completamente injusto e cego”, acrescentou a Confederação.

Apoio americano
O EI lançou em junho de 2014 uma ofensiva relâmpago que lhe permitiu assumir o controle de grandes áreas do território iraquiano, mas tem sofrido nos últimos meses vários reveses militares frente as forças iraquianas, apoiadas pelos ataques da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos.

As forças iraquianas lançaram esta semana uma ofensiva para retomar o controle da província de Nínive (norte) e sua capital Mossul, a segunda maior cidade do país e principal reduto do EI no Iraque.

De acordo com especialistas, os combatentes do EI estão cada vez mais recorrendo a ataques suicidas, enquanto seu “califado” continua a perder terreno no Iraque e na Síria.

Neste contexto, o Pentágono irá propor “nas próximas semanas” ao presidente Barack Obama de fortalecer o apoio militar dos Estados Unidos às forças iraquianas, segundo indicou o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, o general Joe Dunford.

“O secretário de Defesa e eu acreditamos que haverá um aumento das forças americanas no Iraque, mas nenhuma decisão foi tomada”, disse ele.

Trata-se de definir os meios a serem mobilizados para “facilitar” a retomada de Mossul, ressaltou.

O Pentágono também revelou esta semana a presença no norte do Iraque de uma posição de artilharia com 4 canhões de 155 milímetros e 200 Marines.

Estas armas foram utilizadas esta semana, em apoio às tropas iraquianas na região, reconheceu o general Dunford.

O Pentágono implantou oficialmente 3.870 soldados no Iraque. Mas o número real é muito maior, cerca de 5.000, de acordo com relatos da imprensa que o general Dunford não negou na sexta-feira.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *