Últimas

Descobrem nova área de cultivo de atum-rabilho no Atlântico

Washington, 7 Mar 2016 (AFP) – Cientistas dos Estados Unidos aparentemente descobriram uma nova área de reprodução do atum-rabilho no Atlântico, sugerindo que estes peixes podem ser menos vulneráveis à pesca e outros estressores que se pensava.

Antes deste estudo, publicado nesta segunda-feira nos Anais da Academia Americana de Ciências (PNAS), os dois únicos locais de reprodução do Thunnus thynnus de que se tinha notícia eram o Golfo do México e o Mediterrâneo.

Pesquisadores do serviço da pesca marinha da Agência dos Estados Unidos Administração Oceânica e Atmosférica (NOAA) e da Universidade de Massachusetts em Boston encontraram evidências de que estes peixes desvaram no nordeste dos Estados Unidos em uma área marítima que se estende do sul da Nova Inglaterra para os estados de New York, New Jersey e Maryland.

Estas observações ocorreram durante duas expedições científicas no verão de 2013.

“Foram coletadas 67 larvas de atum-rabilho nestas duas expedições, representando uma taxa comparável ao número de larvas que são recuperadas no estudo anual da reprodução desses peixes no Golfo do México”, disse David Richardson, cientista do Centro Estudos das pescas do nordeste e principal autor do estudo.

“A maioria dessas larvas foram menos de cinco milímetros e deve levar menos de uma semana. De acordo com os dados fornecidos pelas boias, não poderiam ter sido levadas pelas correntes do Golfo do México”, que está a milhares de quilômetros ao sul, explicou.

Por muitos anos, a sobrepesca conduziu a um acentuado declínio na população de atum-rabilho.

No entanto, uma recente cooperação internacional para limitar a captura de peixes contribuiu para repovoar o Atlântico oriental e ocidental.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *