Últimas

Dilma diz que trocas de ministros não afetarão combate à corrupção

Presidente deu posse nesta quinta a ministros da Justiça, CGU e AGU.  Dilma afirmou ainda que nenhum governo enfrentou a corrupção como o dela.

 

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quinta-feira (3), durante cerimônia no Palácio do Planalto, que as trocas nos ministérios da Justiça, na Advocacia-Geral da União e na Controladoria-Geral da União não afetarão a função dessas pastas no governo.

Dilma deu posse na manhã desta quinta aos novos ministros da Justiça, Wellington Silva, da Advocacia-Geral da União, José Eduardo Cardozo, e da Controladoria-Geral da União, Luiz Navarro.

“As mudanças de ministros não afetam o papel que o Ministério da Justiça, a Advocacia-Geral da União e a Controladoria-Geral da União vêm exercendo em meu governo”, declarou a presidente.

“Quero mais uma vez enfatizar que o combate a corrupção continua sendo prioridade no meu governo, nenhum governo realizou um enfrentamento tão duro e eficiente à corrupção como o meu e continuará sendo assim, afinal não estamos investigando a corrupção porque ela começou agora em meu governo”, continuou Dilma.

A presidente enfatizou ainda que, entre as atribuições de Navarro na CGU, estará a condução dos acordos de leniência com empresas investigadas. Para Dilma, a investigação de crimes cometidos dentro de uma companhia não podem “destruir” as empresas e a geração de empregos.

“Queremos que os responsáveis pelos atos ilícitos respondam por seus crimes, mas que as empresas continuem existindo, gerando renda e emprego no Brasil. Penalizar responsáveis não significa destruir empresas”, disse a presidente.

‘Vazamentos seletivos’ e ‘execração pública’
Durante o discurso, ainda quando falava sobre as investigações e combate à corrupção, a presidente fez críticas ao que chamou de “vazamentos seletivos” e também ao que classificou de “execração pública” de investigados. Dilma ressaltou que é preciso defender o princípio da presunção da inocência.

“Nós continuaremos defendendo que o princípio da presunção de inocência vale para todos, por ser um instrumento fundamental de nossa democracia. Continuaremos defendendo que a presunção de inocência não pode ser substituída pelo pressuposto da culpa nem tampouco dar lugar a execração pública sem acusação formal e a condenação sem processo por meio de vazamentos ilegais e seletivos”, concluiu Dilma.

 

G1

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *