Dilma oferece e Lula recusa ministério

Tão logo foi divulgada a notícia do pedido de prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por promotores de São Paulo, petistas do governo se apressaram a por em prática uma articulação da véspera: levar o ex-presidente a ocupar um ministério e, assim, evitar a possibilidade de ser preso. Em pouco tempo, o próprio Lula descartou a ideia.

A presidente Dilma estava no Rio, em viagem oficial, e foi imediatamente acionada, enquanto no Palácio do Planalto, quatro ministros discutiam o assunto – Jacques Wagner, RicardoBerzoini, José Eduardo Cardoso e Wellington Cesar Lima e Silva.

Eles trocavam telefonemas com o ex-presidente e auxiliares e, em determinado momento, tudo indicava que Lula iria ocupar um ministério com gabinete no Palácio do Planalto – Casa Civil ou Secretaria de Governo.

A presidente chegou a concordar com a proposta de ter Lula na equipe, mas a possibilidade foi descartada pelo próprio ex-presidente. Ele recomendou que recolhessem a proposta pois a presidente poderia ser acusada de tentativa de obstruir a Justiça. Por telefone, avisou a Jacques Wagner que não toparia o projeto.

Na noite de terça-feira em Brasília, Lula chegou a discutir este assunto com Dilma e ministros, mas descartou a ideia porque, se ele iria conquistar a prerrogativa de foro e ser julgado pelo STF, sua família iria continuar sob a alçada do juiz Sérgio Moro. Ou seja, ele não resolveria seu problema – que é o risco de ter a prisão temporária determinada por um juiz.

Nesta quinta, ao descartar a possibilidade de se tornar ministro, Lula ouviu uma avaliação de que o pedido dos promotores de São Paulo continha fragilidades.

Até mesmo a oposição não embarcou no pedido dos promotores e pedia cautela. Segundo auxiliares, Lula não aceitará ocupar um ministério ainda que a juiza não determine a prisão dele.

Até porque, dizem esses auxiliares, há informações de que outro pedido semelhante pode ser feito pelos procuradores responsáves pela investigação da Operação Lava Jato.

 

G1

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *