Últimas

Eterna Julieta, Giulia Gam reencontra seu Romeu no Festival de Curitiba

Aos 49 anos, Giulia Gam se sente com 17 no 25º Festival de Teatro de Curitiba, que vai até o próximo dia 3 de abril com mais de 350 peças. O motivo do rejuvenescimento imediato da atriz é voltar a atuar com o colega Marco Antônio Pâmio, que protagonizou com ela a peça “Romeu e Julieta”, em 1984, quando ambos começavam a carreira no CPT (Centro de Pesquisa Teatral) sob comando do mestre Antunes Filho no Sesc Consolação, em São Paulo.

Em Curitiba, ambos atuam nas duas peças do “Repertório Shakespeare”: “Macbeth” e “Medida por Medida”, sob direção de Ron Daniels e sucesso de público e crítica no gigante Teatro Positivo, com 2.400 lugares. Thiago Lacerda também integra o elenco das montagens.

Mas é quando encontra Pâmio no palco, que Giulia sente que os 32 anos que separam “Romeu e Julieta” das montagens atuais não passaram. Vira uma adolescente outra vez.

“Fizemos parte da primeira turma do CPT e viajamos juntos para Austrália, Los Angeles, Oriente Médio. Vivemos muita coisa juntos. Voltar a fazer Shakespeare com o Pâmio é reviver tudo isso”, conta a atriz ao UOL, durante um café da manhã no Solar do Rosário, no centro histórico curitibano.

Annelize Tozetto

Marco Antônio Pâmio e Giulia Gam, 32 anos depois da montagem de “Romeu e Julieta”, se reencontram no palco no 25º Festival de Curitiba no Repertório Shakespeare

“Estamos tendo um revival. E fazer novamente teatro com um grupo, como nestas peças dirigidas pelo Ron Daniels, com muitas viagens, me repete ao período em que estava começando com o Antunes”, diz.

Ao lado de Giulia, Pâmio lembra que “Romeu e Julieta” foi uma peça que demorou dois anos para ficar pronta e que sofreu várias mudanças ao longo dos ensaios. “A gente ensaiava e não sabia se iria estrear”. Eles lembram que um dia Antunes resolveu mudar tudo e trouxe músicas dos Beatles para os ensaios. “Na hora não entendemos nada, mas depois tudo fez sentido, porque as letras casavam com a história”, recordam.

Annelize Tozetto

Giulia Gam como Lady Macbeth, em “Macbeth”

“Vivemos muita coisa juntos. Quando nos reencontramos agora nos ensaios, era difícil não olhar para a Giulia e ver a Julieta”, confessa Pâmio. Ao que a atriz também informa: “E eu vejo o tempo todo o Romeu”, diz, sorrindo. “É como se nada tivesse mudado”, define.

Questionados pela reportagem se não sentem vontade de voltar a trabalhar com Antunes Filho, atualmente com 86 anos e dirigindo a peça “Blanche”, Pâmio fala que “acha difícil”, sobretudo pela exigência do mestre de que seus atores tenha dedicação integral. “Para fazer peça com o Antunes tem de abrir mão de todo o resto de sua vida. Acho que essa época foi marcante em minha trajetória. É inesquecível, mas acho que é difícil poder trabalhar novamente com ele no contexto de minha vida atual”, afirma.

Já Giulia Gam sonha em conseguir convencer o mestre a dirigi-la outra vez no teatro. “Até hoje o Antunes reverbera em mim. Temos um vocabulário próprio, os colegas dizem que percebem que Pâmio e eu viemos de uma mesma escola, reconhecem semelhanças, uma marca, que é do Antunes. Eu queria ser dirigida por ele agora e já cheguei a procurá-lo. Queria esse encontro neste momento no qual não sou mais aquela menina, já de igual para igual. Quem sabe um dia ele aceita?”.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *