Últimas

No RS, professor da UFRGS invade aula e arranca faixa contra Dilma

A rivalidade entre apoiadores da presidente Dilma Rousseff e defensores do impeachment está em todos os setores da sociedade brasileira nestes últimos dias, inclusive dentro das salas de aula. Na semana passada, inconformado com uma faixa colocada na janela da faculdade de Direito da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) pedindo a saída da presidente, um professor invadiu a sala de aula e arrancou o objeto.

O momento em que o docente entrou na sala, soltou a faixa e a arremessou para um grupo de alunos que estava reunido no pátio em um ato pró-Dilma foi gravado pelo celular da aluna do 5º semestre Tuíla Zanon, 19 anos.

“Era umas 18h [da última quinta-feira] quando eu e mais três colegas colocamos uma faixa em que estava escrito ‘renúncia já’. Por volta das 19h, esse professor entrou na sala, foi até janela e começou a tirar a faixa. Ele jogou para os manifestantes e ergueu a mão com o punho fechado. Daí foi ovacionado pelo pessoal que estava lá em baixo”, conta Tuíla.

Conforme a universitária, a ação inesperada tomou todos de surpresa durante a aula de direito constitucional. “A professora que estava nos dando aula não entendeu nada. Ele foi bem agressivo. Quase derrubou o computador de uma colega. Jogou a faixa pela janela e saiu.”

No vídeo é possível ouvir o professor dizer “vai colocar [a faixa] em sua casa. Isso é crime”. Tuíla rebate: “Por que os outros estudantes podem se manifestar e a gente não?”. O vídeo foi compartilhado centenas de vezes.

Segundo Tuíla, ela vem recebendo muitos elogios pela atitude. Entretanto, há mensagens de críticas e, algumas, ameaças. “Estou recebendo mensagens no Facebook bem grosseiras. A gente tem que lidar com essas pessoas que desce para esse tipo de discussão.”

Na universidade, Tuíla fez uma reclamação formal contra o docente que, segundo seu currículo, também é Procurador Regional da República e tem atuação principal nos temas direitos humanos, direito constitucional, cidadania, regulação da mídia e infância e adolescente. “Ele é um professor e tem que ser exemplo para os seus alunos”, comenta.  Em relação às mensagens que vem recebendo pelas redes sociais, ela pensa em registrar um boletim de ocorrência e, se for o caso, procurar a Justiça.

A reportagem tentou contatar o professor, mas não teve sucesso. Como não foi possível ouvir o outro lado, o nome do docente não será divulgado.

A universidade informa que o seu Núcleo de Assuntos Disciplinares vai avaliar o caso e ouvir a aluna e o professor.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *